Sangramento na Gravidez: Como é, Causas, Sintomas, Diagnóstico e Tratamento

Na presença de qualquer tipo de sangramento durante a gravidez é importante procurar o pronto atendimento, principalmente quando o sangue vem acompanhado de outros sintomas


consulta ao medico da gestante
Foto: Healthline

Quando há a ocorrência de sangramento na gravidez, isso causa preocupação para a mãe, mas nem sempre significa que se trata de algo considerado grave. Apesar disso, a presença de sangue deve ser informada ao médico para que seja feito o diagnóstico e, caso haja a necessidade, o tratamento correspondente.

Isso porque esse problema afeta entre 20% a 30% das mulheres e metade delas acaba sofrendo um aborto espontâneo. Saiba quais são as causas que podem levar a um sangramento na gravidez e o que fazer se isso acontecer.

Causas do sangramento no início da gravidez

O sangramento no primeiro semestre da gestação é mais comum, e também o que causa mais preocupação. O motivo é porque essa consiste na fase mais delicada para o feto, quando ele se encontra no início da formação e pode não se adaptar.

Nessa etapa da gravidez, as causas podem ser:

Aborto espontâneo

O sangramento que ocorre no início da gravidez pode ter uma série de causas diferentes, sendo o mais comum o resultado de um aborto espontâneo. É possível que o corpo esteja rejeitando o feto ou não esteja conseguindo manter a gestação por conta de um descontrole hormonal.

Nem sempre a presença de sangue no início da gestação resulta em aborto, principalmente quando o sangramento é uma pequena quantidade e vem acompanhado de uma cólica leve. Porém, se houver a presença de cólicas intensas e sangue em grande quantidade, as chances de aborto espontâneo são maiores.

Por ainda estar nas primeiras semanas de gestação, muitas vezes a mulher nem saiba que estava grávida, já que o sangramento pode ser confundido com a menstruação.

Implantação do óvulo no útero

Esse processo, chamado nidação, ocorre quando o óvulo é fertilizado e se implanta na parede uterina. Isso pode provocar uma descamação, ocasionando um pequeno sangramento que desaparece em um ou dois dias. Em geral, quando isso acontece a mulher ainda não sabe que está grávida.

Gestação ectópica

Outra causa de sangramento no início da gestação pode ser por conta de uma gravidez ectópica. Nesse caso, o que ocorre é que, ao invés de o embrião se implantar no útero, ele acaba se alojando e se desenvolvendo nas trompas de Falópio ou no abdômen.

Esse quadro pode se agravar e colocar em risco a vida da mulher quando há a ruptura dos tecidos internos, provocando um sangramento em grande quantidade.

Reprodução assistida

É possível que a mulher que precisa realizar à reprodução assistida apresente um sangramento em pequena quantidade, o que geralmente acontece quando um dos embriões que foram implantados não se fixou no útero.

Gravidez molar

Trata-se de uma condição muito rara, onde há o crescimento de um tecido anormal no útero, ao invés de um embrião. Além do sangramento intenso, esse quadro apresenta vômitos, náuseas e crescimento desproporcional do útero em relação ao tempo de gestação.

Lesão na vulva

Também há casos e que o sangramento pode não estar relacionada ao feto, mas à mãe, como consequência de lesões na parte externa da vulva provocada pela depilação ou infecção urinária, por exemplo. Por essa razão, de acordo com os sintomas, é necessário que o diagnóstico seja feito por meio do exame físico e ultrassonografia.

tipos de sangramento gestação

Principais sintomas

Dependendo da causa, outros sintomas podem vir acompanhados do sangramento, entre eles:

  • Sintomas que indicam pressão arterial baixa como tontura e desmaio
  • Febre e calafrios
  • Dor no abdômen que se intensifica quando a mulher se movimenta
  • Contrações semelhantes à cólica menstrual
  • Secreção vaginal com odor desagradável
  • Mãos e pés inchados
  • Dor durante o ato sexual ou dor pélvica
  • Fortes náuseas e vômitos

Quando ocorre no final da gravidez

O sangramento na reta final da gravidez também pode ter motivos diferentes, sendo também importante informar ao médico. Entre as causas principais, encontram-se:

Ruptura uterina

Esse sangramento é provocado por uma ruptura na cesárea de uma gravidez anterior, atingindo por isso apenas mulheres as que já passaram por uma gestação. Além do sangramento, outros sintomas incluem dor na região abdominal e sensibilidade. Quando isso ocorre, é necessário retirar o bebê imediatamente do útero.

Deslocamento prematuro da placenta

Acontece quando há o desprendimento da placenta da parede uterina, resultando em sangramento, que pode vir acompanhado de dor abdominal e nas costas, além de coágulos na vagina. Trata-se de um caso raro, que atinge apenas 1% das mulheres, sendo mais comum naquelas que apresentam pressão alta.

O deslocamento pode acabar interrompendo o fluxo de nutrientes para o bebê, o que, em alguns casos, torna necessário a realização de uma cesárea emergencial. Se for um deslocamento parcial, é possível dar prosseguimento à gestação com um rigoroso acompanhamento médico.

Início do trabalho de parto

Quando a gestação já completou 37 semanas, o motivo para o sangramento pode ser o indicativo de perda do tampão, que consiste em uma proteção do corpo contra a entrada de bactérias. Isso provoca a saída de uma secreção espessa e transparente, que pode vir acompanhada de um pouco de sangue.

A ruptura do tampão significa que o trabalho de parto está se aproximando, mas não há a necessidade de correr para o hospital imediatamente, pois o bebê pode demorar alguns dias para nascer. Entretanto, se o sangramento for abundante, é preciso se encaminhar para a maternidade o quanto antes.

Diagnóstico

Quando há a presença de sangue na gravidez, o diagnóstico deve ser feito para descobrir o que está provocando esse sintoma. Para isso, a mulher poderá passar por uma avaliação médica, que inclui:

  • Análise do histórico da mulher, o que inclui episódios de abortamento e de gravidez ectópica
  • Ecografia vaginal para observação do saco gestacional e batimentos cardíacos do feto
  • Avaliação dos níveis do hormônio HCG
  • Exame físico para avaliar o colo do útero
  • Exame realizado com objetivo de determinar o tipo sanguíneo e fator Rh

Como é o sangramento na gravidez?

O sangue pode aparecer em diferentes tonalidades e quantidades, dependendo da causa. Quando há a falta do hormônio progesterona no organismo, por exemplo, o sangramento apresenta uma descamação de cor marrom ou então vermelho claro.

Porém, em casos mais graves, onde a gravidez pode estar em risco, o sangue tem uma tonalidade vermelho vivo, semelhante à menstruação. Se houver a presença de coágulos, a situação é ainda mais preocupante.

Quantos dias em média dura esse sangramento?

Não há um tempo específico de duração do sangramento na gravidez, pois depende muito do que o está provocando. Se for o caso de um sangramento de implementação do óvulo, vai durar de dois a três dias e quando o sangramento ocorre por conta de um deslocamento do saco gestacional, pode durar vários dias.

Como o sangramento é algo que deve ser motivo de atenção, é fundamental que a causa seja identificada o quanto antes para evitar que a vida do bebê ou da mãe corram riscos.

grávida com sangramento
Créditos: Pregnancy Week by Week

Tipos de sangramento

No primeiro trimestre da gravidez, o sangue pode surgir até 15 dias da concepção e surge em uma tonalidade rosada e em pouca quantidade. Porém se for na cor vermelho vivo e em grande quantidade, pode significar um aborto espontâneo ou uma gravidez ectópica.



No tipo de sangramento no caso de deslocamento do saco gestacional, que ocorre geralmente até o terceiro mês de gravidez, o sangue tem a aparência escura como borra de café e é eliminado em quantidades pequenas.

Após o quinto mês, o sangramento pode indicar uma gravidez prévia, que acontece quando a placenta se localiza em local errado. Nesse caso, o sangue é de cor vermelho vivo e em abundância, sem a presença de cólicas.

Sangramento de escape

Há mulheres que apresentam sangramento na gravidez na mesma época em que deveria ocorrer a menstruação o que é bastante comum.  Esse sangramento pode durar de um a cinco dias e apenas suja a calcinha, sem haver a necessidade do uso de absorvente.

O sangue nesses escapes (também chamados de spotting) pode apresentar uma tonalidade marrom, semelhante ao sangue no final da menstruação. Por causa disso, muitas vezes acontece de descobrirem a gravidez meses depois.

Porém, o sangramento de escape, ao contrário da menstruação, não apresenta cólicas ou inchaço, o que facilita na hora de diferenciar um do outro.

Sangramento com cólicas na gravidez

É normal sentir cólica durante a gestação, mas se ela vier acompanhada de sangramento, é motivo de atenção. O médico deverá ser informado se não diminuir após alguns minutos de repouso, pois pode indicar um aborto espontâneo, gravidez ectópica ou trabalho de parto prematuro.

Sangramento ao urinar

Em geral, a presença de sangue na gestação ao urinar tem como motivo uma infecção urinária. Porém, há casos em que o sangue pode vir da vagina e acabar se misturando à urina, o que pode ter como causa o deslocamento da placenta.

Como se trata de uma situação mais grave, nesse caso é preciso fazer o diagnóstico e tratamento o mais rápido para evitar que o feto seja lesionado.

Sangramento após queda

Em geral, na maioria das vezes o bebê não é afetado em caso de queda da mãe, pois ele fica protegido pelo líquido amniótico. Mas quando há sangramento após a queda, é preciso dirigir-se imediatamente ao hospital.

Isso porque pode ter ocorrido um deslocamento na placenta e pode até mesmo resultar em um aborto, especialmente no caso de mulheres com problemas relacionados à placenta.

Sangramento após susto

De acordo com pesquisadores, levar um susto grande durante a gravidez, assim como quando a mulher passa por um estresse elevado, não é motivo para que ela apresente sintomas como sangramento.

Porém, em casos de mais extremos, como estresse crônico, pode comprometer tanto a saúde mental como física da mulher, o que pode inclusive levar ao sangramento e a um aborto.

Presença de coágulos no sangue

Se o sangramento durante a gravidez apresenta coágulos é motivo de maior preocupação, pois pode se tratar de um início de aborto.

Isso acontece de forma mais comum no primeiro trimestre da gestação e pode significar que o endométrio (tecido que recobre toda a parede interna do útero) não está conseguindo se sustentar.

Sangramento após a relação com meu parceiro

É possível haver sangramento após a relação sexual na gravidez, principalmente no primeiro semestre. Isso tem como causa as mudanças fisiológicas que o copo da mulher está passando, como o aumento da vascularização uterina.

Importante ressaltar que, para ser considerado normal, o sangramento deve ocorrer durante ou após o ato sexual, apresentando uma cor avermelhada e em pequena quantidade. Mas se o sangue vier com corrimento e em grande quantidade, é preciso consultar o médico para avaliar a causa.

tipos de sangramento

Tratamento

O tratamento dependerá do motivo do sangramento na gravidez, sendo que há casos onde não é preciso fazer um tratamento, como no caso de implantação ou por conta de uma lesão na vulva.

Se a causa do sangramento não é identificada e não coloca em risco a vida da gestante, a indicação médica é observar se há o surgimento de outros sintomas.

Quando há a ameaça de aborto, o tratamento é feito à base de medicamentos ou, dependendo da situação, cirurgia. Se for o caso de uma gravidez ectópica, é preciso realizar urgentemente uma cirurgia. Em ambos os casos, é importante avaliar se a gestante possui tipo sanguíneo Rh negativo, para que ela possa receber a imunoglobulina anti-Rh.

Quando há uma deficiência hormonal, geralmente há a indicação médica de tratamento à base de Utrogestan ou então medicamentos que evitam a contração uterina, como o Dactil.

Como se prevenir

Há algumas formas de prevenir a ocorrência de sangramento no decorrer da gravidez, como é mostrado a seguir:

  • Manter uma alimentação balanceada
  • Não deixar de ir às consultas pré-natais
  • Praticar exercícios físicos leves
  • Controlar a pressão arterial
  • Evitar fazer esforço

Com esses cuidados, as chances de apresentar um sangramento na gravidez podem ser reduzidas, mas não totalmente descartadas.

É importante lembrar que mulher grávida não menstrua e qualquer sangramento deve ser investigado. Dessa forma, será possível avaliar e, caso necessário, realizar o tratamento para proteger a saúde da mãe e do bebê.

Referências

https://www.tuasaude.com/sangramento-na-gravidez/

https://www.mdsaude.com/2011/08/sangramento-inicio-gravidez.html

https://revistacrescer.globo.com/Gravidez/Saude/noticia/2016/01/sangramento-na-gravidez-e-grave.html

http://www.minhavida.com.br/saude/temas/sangramento-na-gravidez

bebe.abril.com.br/gravidez/sangramentos-que-podem-acontecer-durante-a-gravidez/

Sangramento na Gravidez: Como é, Causas, Sintomas, Diagnóstico e Tratamento
Avalie esta matéria!

- Publicidade -

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*