Tabela Chinesa verdadeira para saber o sexo do bebê 2019

Faça o teste com a tabela chinesa verdadeira e diminua a ansiedade o quanto antes!

Ao descobrir a gravidez, toda mulher nutre uma imensa curiosidade para saber se será menino ou menina? Às vezes a curiosidade é tanta que não dá para esperar pelo resultado via ultrassonografia.

Nestes casos, as gestantes recorrem a métodos populares antigos que prometem revelar. Um destes métodos é a tabela chinesa. Você já ouviu falar nela? Então veja mais a seguir:

O que é Tabela Chinesa? 

A tabela chinesa é um método não comprovado cientificamente, cuja finalidade é saber se é menino ou menina, sem o uso dos tradicionais exames de ultrassonografia.

Também é conhecida como tabela chinesa da gravidez e tem raízes na medicina tradicional chinesa.

A crença popular chinesa fazia dessa tabela o meio mais acessível de tentar prever o que estava por vir ao mundo.

Por não se tratar de um método cientificamente comprovado, muitos apenas acreditam se tratar de superstições, crenças ou até mesmo simpatia.

De fato, a ciência não reconhece os métodos utilizados para calcular o gênero do bebê. Isso, porém, não é impedimento para que a tabela realmente funcione e se verifique com exatidão o gênero da criança.

Muitas pessoas que utilizaram a tabela chinesa (colocando todos os dados corretamente) realmente descobriram se era menino ou menina.

Tabela chinesa verdadeira para saber o gênero do bebê 

A tabela chinesa, oriunda do país asiático, tem mais de 700 anos de história e tradição. Segundo especialistas no assunto, ela é capaz de acertar a maioria dos casos.

Foto: Mums.bodyandsoul

Foto: Mums.bodyandsoul

Como funciona a tabela chinesa 

A tabela chinesa tem como base de cálculo a idade lunar da mãe e o mês de concepção.

Outras informações circunstanciais, como uma gravidez de gêmeos ou mães que nasceram antes de completar os 9 meses seriam considerações que poderiam interferir no resultado da tabela chinesa.

Através dessas duas informações, considera-se possível tentar prever o gênero do bebê.

De um lado da tabela está a idade lunar da gestante, ou seja, a idade em que engravidou. Do outro, está o mês de concepção do bebê.

Para descobrir sua idade lunar, a gestante precisa apenas considerar sua idade quando engravidou e acrescentar mais “um”. Caso a mulher tenha nascido nos meses de janeiro ou fevereiro não é necessário somar mais “um”.

Tendo em mãos a idade lunar e o mês da concepção, basta cruzar as informações na tabela: se der quadradinho azul o bebê será menino, se der rosa será uma menina.

Como calcular a idade?

Segundo estudos, na China a criança já nasce com um ano de idade e completa dois anos no dia do ano novo chinês, que não tem data fixa anual.

Portanto, para utiliza-la é necessário que se saiba a idade da mãe segundo o calendário chinês. De um modo geral, menos para quem nasceu em janeiro ou fevereiro, a idade é de um ano a mais do que sua idade no ocidente.

Caso você tenha nascido entre janeiro e fevereiro, sua idade é a mesma.

tabela chinesa verdadeira

Foto: divulgação

Tabela chinesa para engravidar dá certo? 

A tabela chinesa pode dar certo. Não se trata de um método comprovado por meio de pesquisas científicas, mas segundo os antigos sábios chineses, a técnica apresenta 99% de chances de acerto.

Independentemente da veracidade do método, pais e mães esperançosos e ansiosos recorrem frequentemente a esse e outros métodos que aparecem na internet, desejosos de conseguir engravidar de um menino ou menina.

Segundo o calendário chinês para engravidar, é possível sim escolher através do mês da concepção e da idade lunar da mulher.

Outras literaturas já dizem que a posição durante a relação e até mesmo a alimentação da mãe antes da concepção pode influenciar na definição do gênero do bebê.

O método é mesmo eficiente? 

Apesar de os chineses dizerem que o método é 99% eficiente, não há qualquer comprovação científica de que a tabela chinesa verdadeira para saber o gênero do bebê e pode não funcionar, principalmente quando a gestação é múltipla.

Sendo assim, se a mulher deseja realmente ter certeza, deve esperar para fazer o exame de ultrassom ou o exame de sangue denominado sexagem fetal, que considera a presença de hormônios na corrente sanguínea materna para determinar se o bebê é menino ou menina.

Tabela chinesa original

A tabela chinesa original consiste em um quadro com o mês da concepção do bebê e a idade lunar da mãe no momento da concepção.

A intersecção entre esses dois eventos principais resulta na descoberta de um quadradinho azul (menino) ou rosa (menina).

A idade lunar da mãe é calculada da seguinte maneira:

Idade quando engravidou + 1 (menos para as nascidas em janeiro e fevereiro)

Quem nasceu em janeiro ou fevereiro não precisa acrescentar + 1, pois sua idade lunar corresponde à idade em que ficou grávida.

Outro dado que se deve ter em mãos é o mês da concepção, ou seja, quando a mulher ficou grávida.

Existem diversas calculadoras na internet que facilitam esse trabalho, onde você apenas precisa preencher os dados com seu mês de nascimento, sua idade na concepção, o mês da concepção e se você nasceu de 9 meses ou prematuramente.

E pronto! Com esses dados, pode ser possível descobrir o gênero do bebê através da tabela chinesa original.

Origem da tabela

Há diferentes histórias sobre a origem da famosa tabela chinesa, porém todas concordam que ela se baseia na idade chinesa da mãe e no mês em que a criança foi concebida, sempre de acordo com o calendário lunar chinês.

Calendário chinês de gravidez 

O calendário chinês de gravidez utiliza o mesmo princípio básico da tabela chinesa original para tentar interferir na escolha.

Lembramos novamente que são técnicas sem fundamentação científica, mas que possui um nível de precisão bastante elevado.

Por exemplo, segundo relatos de mães que tentaram o método, o calendário chinês da concepção possui uma margem de acerto de, acredite se quiser, 93%.

Trata-se de uma técnica muito antiga, que na verdade, tem por base um antigo documento que fora descoberto há cerca de 770 anos por um grupo de cientistas.

O documento foi encontrado em um túmulo perto de Pequim e atualmente, a cópia original está conservada no Instituto de Ciências da capital chinesa.

É… Não parece ser uma técnica tão hipotética assim, com tamanha idade histórica e margem de acerto.

Tabela Chinesa x Ciência 

menino ou menina

Obviamente, existem divergências entre a medicina moderna e a crença da tabela chinesa.

Primeiro porque, mesmo que aja a crença e os acertos, os meios para tal diagnóstico não são reconhecidos pela ciência como método válido para a comprovação.

Contudo, não podemos tirar o crédito da cultura e do tradicionalismo chinês, que, com toda a sua história milenar nos acrescentou mais um método (bastante curioso, por sinal) baseado em suas crenças e estudos ancestrais.

Nesse caso, recomendamos que se está em dúvida entre um método e outro, faça os dois!

Não custa nada brincar com a tabela chinesa e aumentar as estatísticas.

Depois, você realiza os exames tradicionais e verifica se faz parte do número de pessoas que acertou o gênero do bebê através da tabela chinesa original.

Tabela chinesa funciona mesmo? É confiável? 

Há alguns problemas com a tabela chinesa, quando analisadas à luz do que se sabe atualmente, com o advento da ciência. Esses problemas são de origem teórica e racional, uma vez que cientistas não comprovaram a eficácia da tabela até os dias atuais.

Muitos cientistas, pelas previsões contrariarem as probabilidades, acreditam que a tabela é somente superstição. Por exemplo, nenhum fato científico explica o porque das mães com 30 anos que foram fecundadas no mês de junho terem sempre filhos homens e as de 21 somente os terem caso a concepção ocorra em janeiro.

Outras dúvidas também surgem, como por exemplo a impossibilidade de se saber exatamente o dia em que o bebê foi concebido, e o fato de ser o homem quem tem papel determinante, e não a mulher.

Resumindo: 

Afinal, esse teste dá certo mesmo? É mito ou verdade? A conclusão é que os especialistas não estraram em um acordo sobre a veracidade ou não da tabela em pleno ano de 2019. Alguns acreditam que a tabela tem baixa credibilidade por não ser cientificamente comprovada e apresentar uma baixa taxa de acerto.

Um estudo na Suécia tirou os dados de cerca de 3,4 milhões de mulheres que tiveram filhos entre 73 e 2006. A taxa de acerto com esse grupo foi de cerca de 50%, ou seja, igual a probabilidade do filho ser do gênero masculino ou feminino. Há ainda outros estudos que comprovam isso.

Como descobrir o gênero do bebê sem a tabela chinesa?

A melhor forma de descobrir e comprovar de fato o gênero do bebê é através dos atuais exames disponíveis.

O mais conhecido deles certamente é a ultrassonografia que pode desde os 3 meses de gestação mostrar ao médico e aos futuros pais o gênero do bebê.

Esse método pode ser retardado pela posição em que o bebê assume na hora do exame. Se ele ou ela estiver de pernas fechadas, o exame deverá ser repetido em uma outra sessão, já que assim fica impossível identificar.

Para os pais mais apressados, existe o exame de sexagem fetal. Ele é bem mais caro do que o primeiro e não existe cobertura para ele em convênios ou pelo SUS.

O exame consiste em colher uma amostra de sangue da mãe e analisar minuciosamente, a procura do cromossomo Y, que é o indicador para um bebê masculino. Como os cromossomos femininos são um par de “xis” (XX) a ocorrência de um único cromossomo Y caracterizaria a gravidez de um menino.

Em caso de gêmeos, supõe-se que são dois meninos, ou pelo menos um dos bebês é menino (para o caso de gêmeos bivitelinos).

Esse exame pode ser realizado a partir da 8ª semana de gravidez e em alguns lugares pode chegar a custar R$ 1 mil.

E aí? Vai esperar o ultrassom ou testar a tabela chinesa hoje mesmo? Seja qual for seu método de descoberta, não custa nada se render a um pouco de sabedoria chinesa enquanto o bebê não vem.

Deu certo? Deu errado? Não deixe de contar para a gente nos comentários!


    1. juliana 27 de janeiro de 2015
    2. Lidia 29 de janeiro de 2015
    3. Andrea 3 de fevereiro de 2015
    4. michela 19 de fevereiro de 2015
    5. mary 25 de fevereiro de 2015
    6. Beatriz 24 de março de 2015
    7. bruna 3 de abril de 2015
    8. cristiane 3 de abril de 2015
    9. anie 3 de abril de 2015
    10. Carol 7 de abril de 2015
    11. Carol 7 de abril de 2015
    12. Ray 16 de abril de 2015
    13. jaciara kniss 24 de abril de 2015
    14. fernanda miranda 27 de abril de 2015
    15. Angela 29 de abril de 2015
    16. Fabricia 29 de abril de 2015
    17. Tamiles 30 de abril de 2015
    18. cris 6 de maio de 2015
    19. Jocilene Agertt 13 de maio de 2015
    20. ellen 13 de maio de 2015
    21. EDUARDA 13 de maio de 2015
    22. sabrina Andrade 13 de maio de 2015
    23. Raquel Silva 13 de maio de 2015
    24. darlene 13 de maio de 2015
    25. Suzana 13 de maio de 2015
    26. Carla Silvana 13 de maio de 2015
    27. vanessa 13 de maio de 2015
    28. Patrícia Custódio 13 de maio de 2015
    29. Andressa 13 de maio de 2015
    30. Fernanda 13 de maio de 2015
    31. Gabriela 13 de maio de 2015
    32. biah 14 de maio de 2015
    33. misse 14 de maio de 2015
    34. Léa 14 de maio de 2015
    35. Diana Ferreira 16 de maio de 2015
    36. Ana 18 de maio de 2015
    37. Rithiele 19 de maio de 2015
    38. ana 19 de maio de 2015
    39. Fabiana 9 de junho de 2015
    40. Bruna Arcanjo 10 de junho de 2015
    41. ingrid 11 de junho de 2015
    42. Leticia 12 de junho de 2015
    43. daniele 28 de junho de 2015
    44. daniele 28 de junho de 2015
    45. bibiane.rodriguesolv17@gmail.com 29 de junho de 2015
    46. Valesca 6 de julho de 2015
    47. Lilian 14 de julho de 2015
    48. Lívia 23 de julho de 2015
    49. livia 23 de julho de 2015
    50. Tencia 25 de julho de 2015
    51. Lane dias 30 de julho de 2015
    52. Karina 18 de agosto de 2015
    53. Juliana moraes 21 de agosto de 2015
    54. Juliana Nascimento 25 de agosto de 2015
    55. Polliana 10 de setembro de 2015
    56. Sthefany 19 de setembro de 2015
    57. Edjane Leal 21 de setembro de 2015
    58. angela 13 de outubro de 2015
    59. ildene 16 de outubro de 2015
    60. Rosiane 19 de novembro de 2015
    61. Lorena 26 de novembro de 2015
    62. Vanessa 26 de novembro de 2015
    63. Ellen 26 de novembro de 2015
    64. Jéssica 4 de dezembro de 2015
    65. Debora 20 de janeiro de 2016
    66. simone 8 de fevereiro de 2016
    67. Leyla 17 de fevereiro de 2016
    68. aline 23 de fevereiro de 2016
    69. luana 23 de fevereiro de 2016
    70. cristiele 28 de fevereiro de 2016
    71. Bárbara 9 de março de 2016
    72. Cristiele 12 de março de 2016
    73. Julia 31 de março de 2016
    74. Tamiris 31 de março de 2016
    75. Regina Almeida 31 de março de 2016
    76. Larissa 5 de abril de 2016
    77. Geise 14 de abril de 2016
    78. Léia 30 de abril de 2016
    79. daniele 19 de maio de 2016
    80. Jennifer 21 de maio de 2016
    81. Micheli 9 de junho de 2016
    82. Eu 29 de junho de 2016
    83. Simone Melo 20 de julho de 2016
    84. Thaila 3 de setembro de 2016
    85. Helena j da Silva 15 de outubro de 2016
    86. angélica 16 de outubro de 2016
    87. Carla 20 de outubro de 2016
    88. Jennyfer 2 de novembro de 2016
    89. Cibere 8 de novembro de 2016
    90. Letícia 10 de novembro de 2016
    91. Dian 10 de novembro de 2016
    92. Rejane 6 de fevereiro de 2017
    93. Erbenia 8 de fevereiro de 2017
    94. Mara Cardoso Oliveira 18 de fevereiro de 2017
    95. Loreen 25 de abril de 2017

    Add Your Comment