Mãe do Corpo Mexendo: Conheça a lenda e descubra por que isso acontece

A sensação de mãe do corpo é uma expressão popular usada para explicar os movimentos na barriga em mulheres após o parto.

A tradição segue viva em algumas regiões do Brasil, falando sobre a existência de um ser sobrenatural no ventre.

Apesar de a lenda da mãe do corpo não fazer parte da crença da maioria das mulheres, é fato que muitas passam por essa experiência.

Mesmo com o nascimento do bebê há dias, meses ou anos, os movimentos uterinos podem perdurar.

A sensação de ainda ter um bebê se movendo na barriga costuma causar dúvidas sobre as verdadeiras causas. Assim, vamos esclarecer de uma vez o que causa a mãe do corpo e o que a mulher pode fazer para amenizar.

mãe do corpo ou gravidez

O que é mãe do corpo?

Mãe do corpo é uma crença antiga que faz parte de regiões brasileiras onde a cultura de parteiras é comum. Na região Amazônica, por exemplo, essa crença é muito forte, sendo passada de geração para geração.

Veja mais: 8 Atividades físicas e mentais para fazer em casa durante a gravidez

De acordo com a lenda, a mãe do corpo seria uma entidade ou ser que, durante o período da gravidez, vive dentro do corpo da gestante. Após o nascimento do bebê, esse ser fica à procura da criança dentro do ventre.

mãe do corpo antes de engravidar

(Foto: FecunMed)

Como não consegue encontrar o bebê, ela começa a se movimentar impaciente na barriga. Como resultado, a mulher passaria a sentir a barriga se mexer, como se o bebê ainda estivesse ali.

A lenda ainda diz que a mãe do corpo pode sair do lugar na hora em que a mulher faz força para o parto. Nesse caso, ela pode ser acometida por dores e incômodos abdominais.

Nas regiões onde a lenda é forte, acredita-se realmente na existência da mãe do corpo. Por esse motivo, ainda é bastante comum que as parteiras na região Amazônica pratiquem um ritual para acalmar a mãe do corpo.

Após o parto, a placenta é colocada sobre o ventre da gestante e a parteira faz uma massagem no baixo ventre. O ritual ainda pode incluir a recitação de algumas palavras para que a entidade desista de procurar a criança e deixe a mãe em paz.

Lenda ou explicação científica?

Apesar de a mãe do corpo se tratar de uma lenda, realmente pode acontecer de a mulher sentir movimentos na barriga depois do parto. Porém, existe uma explicação científica para que isso aconteça.

o que é mãe do corpo

(Foto: Shopee)

Após o nascimento do bebê, os órgãos começam a voltar ao lugar, principalmente o útero. O movimento causado pelos órgãos se realocando pode provocar a sensação de cólica e mal-estar na mulher.

O útero, por exemplo, começa a se contrair para retornar ao tamanho que tinha antes da gravidez. Esse período de mudanças no corpo após o parto, chamado de puerpério, tem a duração média de 60 dias.

Além disso, outros motivos podem ajudar a aumentar a sensação de movimento na barriga. Eles podem ser comuns após a gravidez, como:

  • Prisão de ventre;
  • Gases;
  • Inchaço;
  • Flacidez.

Como a cavidade abdominal também acaba ficando maior após a gestação, há um espaço maior dentro dela. Com isso, os movimentos uterinos dentro dessa cavidade também podem aumentar.

Além disso, a sensação de mãe do corpo pode surgir ao amamentar o bebê. Isso acontece porque, nesse momento, o corpo libera hormônios que fazem o útero se contrair.

Com o tempo, a sensação de movimento da mãe do parto diminui. Porém, a casos onde ela persiste por um longo período de tempo, podendo durar mais de um ano.

Preciso de cuidados por ter mãe do corpo?

É possível tomar alguns cuidados para aliviar a sensação dos movimentos uterinos. Além de ter paciência com o corpo e repousar nos primeiros dias após o parto, outros cuidados são:

  • Evitar esforço físico;
  • Dar de mamar para o bebê o quanto antes após o parto;
  • Não se levantar rapidamente da cama;
  • Tomar bastante líquido para urinar bastante;
  • Caminhar lentamente para estimular o trânsito intestinal;
  • Ingerir frutas e verduras ricas em fibras;
  • Massagear a região abdominal para aumentar a firmeza.

É possível sentir mãe do corpo antes de engravidar?

Mesmo sem estar grávida, é possível que a mulher tenha uma sensação como a de mãe do corpo. A razão se deve aos movimentos da musculatura, intestinos e trompas. Isso faz com que a mulher sinta pequenos tremores ou fisgadas na barriga.

mãe do corpo mexendo

(Foto: Find Health Tips)

Saiba ainda: Troca da Lua x Nascimento do bebê

Essas contrações podem ser causadas pelo trânsito intestinal, gases e prisão de ventre. Em relação às trompas, é comum que tragam uma sensação de tremor durante a ovulação.

Já a musculatura na região abdominal, ela pode contrair e relaxar. Isso faz com que a mulher sinta uma pulsão e a barriga se mexendo. Por esses motivos, nem sempre significa que o tremor na barriga indica uma gravidez.

Quando a mãe costuma sentir o bebê mexendo na barriga?

Em geral, a mãe sente o bebê se mexer em seu ventre pela primeira vez por volta de 18 a 21 semanas de gravidez. Antes disso, ela pode experimentar sensações mais leves, como tremidinhas na barriga.

Antes disso, entre 12 e 14 semanas de gravidez, pode ser possível sentir algo pulsar no ventre. Isso indica que o bebê está soluçando. Os primeiros movimentos muitas vezes acabam sendo confundidos com os movimentos comuns do corpo, passando despercebidos.

Porém, a mulher pode ficar atenta e notar como uma leve sensação de cócegas em seu ventre. Por volta de 24 semanas de gestação, os movimentos do bebê se tornam mais fáceis de identificar.

Para quem está ansiosa em sentir os movimentos do bebê, a dica é comer um docinho após o almoço. Ao se deitar de barriga para cima, as chances de sentir os movimentos são maiores.

Conversar com o bebê ajuda a aumentar o vínculo com ele, além de aumentar as chances de senti-lo se mexer. Colocar música para ele ouvir também pode fazer com que a mãe sinta os movimentos na barriga.

Após o nascimento do bebê, é fundamental que a mãe também cuide do seu próprio bem-estar. Por isso, é mais do que indicado seguir as recomendações para evitar a sensação de mãe do corpo.

Leia ainda: Amamentação x Coronavírus