Corrimento na gravidez faz mal para o bebê?

O surgimento do corrimento na gravidez pode deixar a gestante preocupada com a sua saúde e a do bebê. Porém, essa secreção nem sempre quer dizer que existe algum risco à gravidez ou doença.

É o caso do corrimento esbranquiçado, que é muitas vezes causado pelo aumento na produção de hormônios na gravidez. Porém, quando há algum tipo de mudança em seu aspecto, é preciso que o médico seja consultado.

O corrimento pode adquirir uma tonalidade diferente, além de apresentar um cheiro forte e desagradável. Nesses casos, o motivo deve ser investigado.

Entenda mais sobre o corrimento na gravidez e como diferenciar o tipo benigno daqueles que podem ser prejudiciais ao bebê. Veja também alguns tratamentos caseiros que ajudam a reduzir esse incômodo.

Corrimento na gravidez é normal?

Assim que a mulher se torna gestante, inúmeras mudanças passam a acontecer em seu corpo. Além dos enjoos, sensibilidade emocional e aumento das mamas, alguns sintomas podem causar dúvidas e apreensão.

É o caso do corrimento na gravidez que, ao ser notado, costuma deixar a gestante preocupada. Porém, nem sempre é sinal de que há algo de errado com o bebê, pois geralmente se trata de um corrimento comum.

prejudica o bebe

(Foto: NTEMID)

Quando o seu aspecto é transparente, branco ou leitoso e sem cheiro forte, indica que não há nenhum problema ginecológico. Isso porque consiste em um corrimento fisiológico normal, que acompanha toda mulher desde que ela chega à puberdade.

Ele é causado pelo hormônio estrogênio e tem como função lubrificar essa região, impedindo o surgimento de infecções e inflamações.

O corrimento costuma ser em uma quantidade mais elevada na gestação, quando há um estímulo maior do hormônio. Conforme a gravidez avança, o fluxo pode ficar mais intenso.

Apesar desse tipo de corrimento ser comum, é importante que a gestante fique atenta a alguns detalhes. Se o muco apresentar mudança na coloração, consistência ou odor, o médico deve ser informado o mais breve possível.

Qual corrimento é perigoso na gravidez?

Se o corrimento tiver uma coloração amarelada, esverdeada ou até mesmo acinzentada, apresentar cheiro forte ou se tornar muito espesso, torna-se preocupante.

corrimento na gravidez é normal

(Foto: Mashable)

O mesmo acontece quando vem acompanhado de sintomas como ardência ao urinar, dores no baixo ventre, coceira ou inchaço. Em geral, tais sintomas indicam que a região íntima está sofrendo com alguma infecção.

Veja quais são as causas mais comuns de mudanças no aspecto do corrimento na gravidez e se o corrimento na gravidez prejudica o bebê:

Corrimento marrom

Em geral, o corrimento marrom indica a presença de sangue coagulado, que entrou em contato com o ar antes de ser expelido. Nesse caso, a cor adquire uma tonalidade que se assemelha à borra de café.

Muitas vezes, ocorre como resultado de algum tipo de esforço, como carregar peso. Isso acontece quando há o rompimento de algum pequeno vaso sanguíneo, não havendo risco à mãe ou ao bebê.

No entanto, é preciso notar se há uma grande quantidade de corrimento marrom no primeiro trimestre, com cólicas ou dores abdominais. Nesse caso, a gestante deve ir de imediato ao hospital, pois pode se tratar de um aborto espontâneo ou gravidez ectópica.

Corrimento amarelado ou esverdeado

Em geral, quando o corrimento apresenta essas colorações (corrimento amarelado ou esverdeado), significa que a gestante está com uma infecção ginecológica. A infecção pode ser causada por fungos, bactérias ou vírus, sendo as mais recorrentes a clamídia, gonorreia e tricomoníase.

Além da cor alterada, o corrimento costuma vir junto a um aroma forte e fétido. Outros sintomas que o acompanham são a coceira, ardência ao urinar e vermelhidão. Por isso, o obstetra deve ser informado para confirmar e tratar do problema.

Caso a infecção não seja tratada, o bebê pode acabar sendo infectado. Outras complicações na gravidez também podem ocorrer, como parto prematuro e até mesmo o aborto.

Corrimento avermelhado

O corrimento vermelho vivo indica um sangramento que acabou de acontecer. Se ele surgir associado a dores na região íntima ou abdômen, a gestante deve buscar auxílio com o obstetra para que a causa seja averiguada.

O motivo pode ser por um deslocamento da placenta, placenta prévia ou gravidez ectópica, que consistem em complicações mais graves da gestação.

Também é possível que seja algo mais simples, como o rompimento de pequenos vasos sanguíneos.

Corrimento branco

O corrimento esbranquiçado acompanhado de coceira intensa na região íntima e vermelhidão pode ter como causa a candidíase. Essa é uma infecção provocada por um fungo, sendo muito comum na gravidez devido às mudanças hormonais.

Durante a gestação, essa infecção não resulta em danos ao bebê. Porém, o tratamento é necessário para evitar que ele se contamine no momento do parto.

Como tratar corrimento na gravidez com remédio caseiro?

O corrimento na gravidez muitas vezes traz incômodo para a mulher, umedecendo e manchando a calcinha. Além do tratamento convencional com base em remédios, o problema também pode ser tratado com remédios caseiros e naturais:

tratamento caseiro

(Foto: Oku Haber)

  • Fazer banhos de assento diários com bicarbonato de sódio ajuda no equilíbrio da flora na região íntima, trazendo o alívio do sintoma no caso de infecção.
  • O chá de folhas de goiabeira pode ser usado para o banho de assento, repetido até 3 vezes ao dia.
  • Por conter substâncias alcalinas, o alho ajuda a prevenir fungos e bactérias. Assim, o recomendado é acrescentar esse tempero nos pratos do dia a dia.
  • Com propriedades antissépticas, o vinagre de maçã contribui para reequilibrar o pH, reduzindo a quantidade do corrimento. Meia xícara do vinagre deve ser misturada em uma bacia com água morna para banhos de assento.
  • Outras maneiras de lidar com o corrimento incluem secar bem e manter a limpeza adequada da região íntima, usar sabonetes neutros, evitar roupas apertadas, duchas e o uso de tampões internos.
  • A alimentação também pode fazer parte do tratamento, o que ajuda a reequilibrar flora da região genital. Por isso, a gestante deve consumir alimentos como limão, couve, romã, salsinha, tomilho, própolis, melão e iogurte natural.

A gestante deve estar atenta a qualquer alteração do corrimento na gravidez. Ao notar algo diferente, o médico deve ser informado para providenciar o diagnóstico o quanto antes e dar início ao tratamento, geralmente com uso de pomadas ou comprimidos.