Como é a visão dos bebês? Descubra como os pequenos enxergam

É importante entender como é a visão do bebês para entregar estímulos que possam ajudá-los a enxergar melhor.

Ao nascer, os bebês já têm quase todos os sentidos muito bem desenvolvidos, exceto um deles: a visão.

O recém-nascido chega ao mundo com os olhos ainda prematuros, mas ele consegue ver o que é mais importante: a mamãe para se confortar e o seio para se alimentar.

Conforme os primeiros meses se passam, os pais conseguem notar a evolução nos olhos do bebê. No aspecto físico, ao mudar a cor até chegar ao tom definido; e na visão, pois a criança já tem capacidade para focar e acompanhar os acontecimentos e perceber diferentes cores.

Estimular, interagir e fazer brincadeiras é fundamental para o desenvolvimento do bebê. Porém, é importante entender como é a visão deles, assim você saber quais estímulos e interações conseguem chamar a atenção dos pequenos.

Como e a visao de um bebe de 2 meses

Continue a leitura para entender como é a visão dos bebês e veja as diferentes sensações que as cores transmitem para eles.

Como os bebês enxergam nos primeiros meses após seu nascimento?

Ao contrário do que muitos pensam, os bebês não enxergam só branco e preto, eles têm a capacidade de diferenciar cores, desde que exista um contraste entre elas.

Com quantos meses o bebê enxerga colorido

Por exemplo, uma criança de poucos dias de vida consegue diferenciar cores como amarelo e verde ou azul e vermelho, mas não tem a capacidade de notar a diferença entre tons próximos, como laranja e vermelho, amarelo e laranja ou verde e azul.

Bebês com 5 meses de vida já conseguem enxergar todas as cores e notar as diferenças mais sutis, com o mesmo potencial de visão que uma pessoa adulta.

Em relação ao foco, no primeiro mês a habilidade ainda não existe, por isso é comum os bebezinhos ficarem “vesguinhos” por alguns segundos.

Depois desse período, já existe a capacidade de focar em diferentes distâncias, direções e acompanhar o movimento dos objetos e das pessoas.

Sensações que as cores podem transmitir aos bebês

como é a visão dos bebês

Agora que você sabe como é a visão dos bebês, veja as diferentes sensações que cada uma das principais cores podem transmitir a eles:

  • Amarelo – Conforto e aconchego, estimula a criatividade;
  • Branco – Sensação de paz, mas não deve ser totalmente predominante, pois deixa o ambiente apático e oferece poucos estímulos. É interessante colocar mais cores para dar contraste;
  • Vermelho – Com cautela é estimulante e energético, mas em excesso pode causar irritação e agressividade;
  • Rosa – Em tons mais claros combina as sensações do vermelho e branco, nos mais intensos e excessivos pode causar agitação e irritação;
  • Azul – Transmite calma e serenidade nos tons claros, excelente para o sono dos bebês. Quando o azul é escuro e predominante no ambiente pode causar tristeza;
  • Verde – A cor predominante na natureza, passa a sensação de calma e alegria ao mesmo tempo, uma ótima opção para o cantinho de brincadeiras quando combinado com amarelo;
  • Lilás – É considerada um cor purificadora em muitas culturas ao redor do mundo, sendo relacionada frequentemente com espiritualidade. Quando utilizada em tons mais amenos tranquiliza e acalma o bebê. Em excesso ou em tons muito fortes pode transmitir tristeza e melancolia;
  • Laranja – Mistura as sensações do amarelo e vermelho, e promove conforto e bem-estar para o bebê. Quando predominante no ambiente, pode causa agitação excessiva e deixar a criança irritada;
  • Cinza – Uma cor que pode ser considerada uma faca de dois gumes, pois ao mesmo tempo que acalma e relaxa, também causa sentimento de solidão e preguiça. Para resolver isso, misture o cinza com cores mais alegres.

Pronto! Agora você sabe como é a visão dos bebês e quais cores utilizar para transmitir sensações adequadas a cada momento da criança! Encha a vida do seu/sua filho(a) de cores!

Equipe Gestação Bebê

A equipe de redatores do Gestação Bebê é formada por jornalistas e profissionais convidados de diversas áreas, como pediatria e psicologia.

Deixe um comentário