Grávida pode tomar paracetamol?

A resposta para essa pergunta é sim: a mulher grávida pode tomar paracetamol. Esse medicamento está entre os poucos analgésicos que estão liberados para o uso de gestantes, sendo considerado o mais seguro entre eles.

Por esse motivo, se a dor de cabeça, febre, ou outras dores surgirem durante a gravidez, os sintomas podem ser combatidos sem provocar efeitos indesejáveis na mãe ou prejudicar a saúde do bebê.

Apesar disso, é preciso que o paracetamol seja tomado sem exagero, apenas quando for realmente necessário e sempre com a orientação do médico, que irá avaliar a relação risco / benefício antes de liberar o uso do medicamento.

Descubra a seguir o que a gestante deve fazer quando é acometida por dores e o que os estudos revelam sobre o uso de analgésicos durante essa fase da vida da mulher.

O que fazer em caso de dor de cabeça na gravidez?

A dor de cabeça é um problema que pode se tornar mais frequente na gestação. Isso se deve, na maioria dos casos, ao aumento dos níveis de progesterona no organismo da mulher, hormônio que desempenha um papel importante na gravidez.

Porém, há outros fatores que também podem contribuir para que esse sintoma seja mais recorrente nessa fase, como fadiga, estresse, tensão, fome, ou pela união de mais de um desses fatores.

grávida pode tomar paracetamol

Em geral, o incômodo da dor de cabeça passa após alguns minutos de repouso e relaxamento. Mas, se a dor persistir, algumas soluções são indicadas, como é mostrado a seguir:

Pressionar as têmporas

Uma solução para acabar com a dor sem que para isso seja necessário consumir qualquer medicamento é pressionar as têmporas, região que fica localizada na lateral dos olhos, próximo às sobrancelhas.

Ao fazer movimentos circulares no local onde a dor se concentra, o fluxo sanguíneo diminui, reduzindo a sensação de dor de cabeça.

Fazer uma compressa

Fazer uma compressa ao redor dos olhos ou da nuca usando uma toalha embebida em água morna também ajuda a diminuir a dor.

Outra opção é fazer um escalda-pés, o que ajuda a aumentar o fluxo de sangue nos pés, reduzindo a pressão sanguínea nas artérias do crânio. Dessa forma, a dor de cabeça também é diminuída.

Usar o paracetamol

O paracetamol é amplamente utilizado para o alívio da dor e diminuição da febre, pois tem ação analgésica e antipirética. A maioria das pessoas tem em casa uma caixinha de remédios, e o paracetamol certamente está lá para ser usado diante de uma emergência.

Porém, a automedicação pode ser perigosa, mesmo quando se trata de medicamentos que não exigem receita para a compra.

Caso a dor seja persistente e esteja incomodando demais, a saída e fazer o uso do paracetamol. É bom lembrar que, quando usado de forma correta, esse analgésico não causa nenhum tipo de prejuízo para o bebê. Porém, antes de tomar, é preciso ir ao médico para que ele recomende a dose ideal para a gestante.

Dor de dente na gestação: o que fazer?

Outro sintoma de gravidez bastante comum e que pode incomodar muito é a dor de dente. Ela é provocada por causa do aumento da sensibilidade nos dentes e na gengiva, resultando em uma inflamação nessa região.

Para trazer alívio para a dor de dente, pode ser necessário tomar paracetamol a cada 8 horas, o que também deve ser feito com a supervisão médica.

paracetamol gravidez dosagem

Porém, assim como no caso da dor de cabeça, esse sintoma também pode ser minimizado usando maneiras alternativas, de forma a evitar o uso de analgésicos, entre elas:

  • Colocar um gelo dentro de um pano e aplicar na região dolorida
  • Fazer bochechos usando água morna com sal
  • Usar pastas para dentes específicas para dentes sensíveis
  • Mascar um cravo-da-índia para usufruir do seu efeito anti-inflamatório

Se a dor de dente persistir, o recomendado é se consultar com o dentista para que ele seja capaz de identificar a causa e fazer o tratamento mais adequado durante a gestação.

Qual o remédio que uma grávida pode tomar?

Entre os remédios que a mulher pode tomar na gravidez para aliviar a dor de cabeça está o Tylenol, que tem como base o paracetamol. No caso de cólicas, o medicamento recomendado é o Buscopan.

O paracetamol é um analgésico que proporciona um alívio para a dor e o desconforto físico, além de reduzir a febre. O seu uso é considerado seguro para todas as fases da gestação, pois diversos testes foram realizados para se chegar a essa conclusão.

Porém, é importante ressaltar que esse medicamento deve ser consumido de forma moderada em casos extremos, sem que a mãe ultrapasse a dose que foi indicada pelo médico que está fazendo o acompanhamento da gestação.

Em geral, o paracetamol é bem tolerado nas doses receitadas, mas há a possibilidade de que o seu consumo provoque náuseas ou vômitos na gestante. Sintomas ainda menos comuns incluem dor de barriga, diarreia, sensação de ardência na garganta e prisão de ventre.

No caso de algum desses ou outros sintomas se manifestarem por conta da ingestão do analgésico, é fundamental que o médico seja informado para adequar as doses ou suspender o seu uso.

Pode afetar o desenvolvimento do bebê?

Apesar de estudos indicarem que o uso do paracetamol é seguro na gravidez, algumas pesquisas sugerem que existe a possibilidade de que ele afete o desenvolvimento do bebê.

Entre os motivos que levaram a essa conclusão é porque esse medicamento atua em alguns receptores do nosso cérebro, deixando-os amortecidos. É dessa forma que o seu uso traz o alívio para a sensação de dor.

paracetamol na gravidez primeiro trimestre

(Foto: A Crítica News)

O problema é que, quando a gestante usa esse medicamento, seus componentes podem ser absorvidos pelo cérebro do bebê. Isso acabaria prejudicando o desenvolvimento dos mesmos receptores no feto.

Se não há o desenvolvimento e maturação correto desses neurônios, alguns problemas podem aparecer, como a hiperatividade ou autismo.

Em relação ao desenvolvimento neuronal, os riscos de tomar paracetamol ocorrem principalmente no terceiro trimestre da gestação, quando também existe a possibilidade de causar problemas motores e cognitivos no bebê.

Porém, as pesquisas indicam que isso pode acontecer se o uso do medicamento for prolongado nessa fase, ou seja, por um período de tempo acima de um mês.

Outro problema que pode ser relacionado ao uso prolongado do paracetamol na gravidez é o risco de infertilidade em bebês do sexo masculino. Isso acontece porque as substâncias contidas no medicamento podem reduzir os níveis de testosterona, fazendo com que os testículos não desçam para o saco escrotal.

Riscos de tomar paracetamol na gestação

Embora estudos afirmem que a grávida pode tomar paracetamol, não indicando riscos ao ingerir esse analgésico nas doses indicadas, eventuais efeitos podem estar associados à ingestão excessiva desse medicamento.

Entre eles estão alguns tipos de transtornos, como a já citada hiperatividade e o déficit de atenção. Especialistas também apontam que o risco de o bebê vir a sofrer de asma é 35% maior no caso de a mãe ter feito o uso contínuo de paracetamol durante a gravidez.

Além disso, apesar de ser algo considerado bastante raro, há o risco de o medicamento levar a gestante a apresentar toxidade, o que só ocorre no caso de a mulher ser sensível ao efeito do paracetamol.

Caso isso aconteça, o médico deverá realizar um ajuste na dose que foi indicada.

Dosagem durante a gravidez

Como cada pessoa é única, o médico deve ser consultado para que possa ser avaliada a quantidade ideal do medicamento a ser usado, especialmente quando a mulher está à espera de um bebê. A quantidade ideal deve considerar fatores como a idade e o peso corporal da mulher.

Em geral, a dose recomendada para ser consumida na gravidez é entre 1 a 2 g ao dia, o que corresponde de 1 a 2 comprimidos de 1 g ou entre 2 a 4 comprimidos de 500 mg a cada dia.

Quantas vezes por dia grávida pode tomar paracetamol?

Quanto maior for a ingestão do medicamento, maiores serão os riscos ao bebê. Por conta disso, o paracetamol deve ser tomado apenas quando for mesmo necessário, não ultrapassando 3 vezes ao dia (sempre respeitando a indicação feita pelo médico).

O analgésico é tomado via oral, acompanhado de água e não deve ser mastigado. Se ele for ingerido após a refeição, o início da ação pode ser mais demorado.

Posso tomar paracetamol amamentando?

Apesar de o paracetamol passar para o leite materno, não há registros de que isso represente algum tipo de dano conhecido para o bebê. Por esse motivo, não é necessário que a mãe interrompa o aleitamento enquanto estiver fazendo o tratamento com o uso de paracetamol.

gravida pode tomar paracetamol em gotas

No caso de dúvidas a respeito, o melhor a fazer é conversar com o médico a respeito para que ele possa deixar a mãe mais tranquila na hora de alimenta o seu bebê.

Receita caseira de analgésico para usar na gravidez

Para as gestantes que desejam se livrar das dores sem que para isso precise usar medicamentos, é possível utilizar analgésicos naturais durante a gravidez.

Esses remédios naturais ajudam a aliviar o desconforto provocado por dor de cabeça e enxaqueca, além de outras dores que venham a surgir na gestação.

Um exemplo eficaz é o chá de gengibre, que é fácil de fazer e não causa prejuízo para a gravidez ou para o bebê. Os ingredientes necessários para o preparo desse analgésico são:

  • 1 cm da raiz de gengibre
  • 1 litro de água

O preparo é feito da seguinte maneira:

  1. Coloque o gengibre e a água em uma panela
  2. Tampe e ferva durante 5 minutos

O chá pode ser consumido morno ou frio. Para que o sabor fique mais agradável, pode-se usar mel para adoçar ou então acrescentar algumas gotas de limão. É bom lembrar que, para não correr riscos de prejudicar o bebê, a quantidade recomendada do chá é de apenas 1 xícara por dia.

Paracetamol e TDAH na gravidez

O TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade) pode estar entre uma das consequências do uso excessivo do paracetamol, afetando entre 13% a 40% dos bebês cujo a mãe tomou o medicamento de forma exagerada durante a fase de gestação.

Esses dados têm como base pesquisas que foram realizadas nos EUA. Apesar de ainda não existir uma comprovação definitiva de que o uso desse medicamento realmente cause o TDAH em crianças, os resultados demonstram que é necessário ter cautela no uso do paracetamol durante a fase de gestação.

Estudo científico

Uma pesquisa realizada pela revista pediátrica do Jornal da Associação Médica Americana (Jama) avaliou os efeitos do paracetamol (acetaminofeno), que estrá presente em analgésicos, muito indicado para mulheres grávidas. Em mulheres que fizeram uso contínuo durante a gestação, verificou-se maior risco de crianças com transtorno de déficit de atenção com hiperatividade (TDAH).

Realizaram o estudo pesquisadores da Escola de Saúde Pública Fielding, da Universidade da Califórnia (UCLA) e da Universidade de Aharus, na Dinamarca.

A pesquisa avaliou mais de 64 mil mães e filhos em um período de 1996 e 2002 – mais de 50% fizeram uso de paracetamol pelo menos uma vez durante os nove meses da gestação.

O resultado

O resultado da pesquisa mostrou que as mulheres que fizeram o uso do paracetamol tiveram 37% mais chances de ter filhos com TDAH (transtorno hiperquinético) em sua forma severa.

Mais tempo, mais chances

A pesquisa verificou ainda que quanto maior o tempo que a mulher tomou paracetamol, principalmente no segundo e terceiro trimestre, maior a associação com o TDAH. O risco do problema subiu para 50% em crianças que as mães usaram o paracetamol por mais de 20 semanas na gestação.

Parto Prematuro e o uso de paracetamol na gravidez

Em geral, o uso do paracetamol não causa um adiantamento do parto. Entretanto, se a gestante sofre de hipertensão (pressão arterial alta), existe sim o risco de que o uso de paracetamol provoque um parto prematuro.

Também pode acontecer de o bebê nascer antes do previsto no caso de a mulher sofrer com pré-eclâmpsia. Por esse motivo, em ambos os casos é fundamental que exista o controle feito pelo médico, já que a saúde da mãe e do bebê podem estar em perigo.

Paracetamol na gravidez e autismo

Um estudo feito com crianças de até 5 anos de idade cujas mães usaram paracetamol durante a gestação apontou que a probabilidade de ser autista nesse caso é maior.

Isso significa que as crianças apresentaram maiores chances de apresentar os sintomas do Transtorno do Espectro Autista (TEA) e hiperatividade.

gravida pode tomar paracetamol na gestação

(Foto: Divulgação)

A causa está associada ao prejuízo no desenvolvimento neurológico que a exposição a esse medicamento provoca, alterando os processos de amadurecimento e conectividade entre os neurônios.

O estudo também concluiu que esse aumento nas chances de desenvolver o autismo depende da quantidade de vezes que o feto foi exposto ao paracetamol, ou seja, está relacionado à frequência que a mãe consumiu o medicamento na gravidez.

Por essa razão, o recomendado por médicos e pesquisadores é que o seu uso seja evitado ao máximo nessa fase.

Procure sempre orientação médica

Nunca é demais ressaltar a importância de sempre buscar a orientação de um médico antes de ingerir qualquer tipo de medicamento. Essa recomendação é ainda mais importante durante a gestação, pois o bebê ainda está se desenvolvendo no ventre e algumas substâncias podem prejudicar esse processo, causando danos que muitas vezes são irreversíveis.

Apesar de estudos apontarem que grávida pode tomar paracetamol, é preciso se informar sobre as doses mais adequadas para cada mulher, além da quantidade que deve ser tomada diariamente, o que permite proteger a saúde do bebê.

Referências

tuasaude.com/paracetamol-na-gravidez/

bebeabordo.pt/paracetamol-na-gravidez/

maemequer.pt/estou-gravida/saude-e-bem-estar/incomodos-da-gravidez/paracetamol-na-gravidez/

bebemamae.com/saude-gravidez/paracetamol-na-gravidez-pode-causar-autismo-asma-e-hiperatividade-no-bebe

mentesacorposao.com/paracetamol-durante-gravidez/

soumamae.com.br/perigoso-paracetamol-na-gravidez/

Avalie esta matéria!

    1. Avatar
      Geise 4 de novembro de 2016

    Adicione um comentário

    *