Como detectar o autismo em bebês

O autismo é um problema que pode, inicialmente, assustar as famílias. Os pais precisam de orientação para tratar seus filhos da melhor maneira possível, a mais adequada para cada caso. Para tanto, a informação é o primeiro caminho a seguir:

Autismo

O autismo é um problema neurofisiológico que dificulta o processamento cerebral. Existem casos mais graves, nos quais a fala é prejudicada. Em casos mais leves, a sociabilidade e a interação com as pessoas são afetadas.

Existe um tipo de autismo chamado Asperger, que atinge mais meninos do que meninas, considerado moderado. Nele, as pessoas possuem problemas de socialização, mas grande inteligência e memória.

 Leia ainda: Primeiros passos para engravidar

Tratamento

O tratamento inclui terapias em grupos para promover a socialização, além de acompanhamento comportamental e pedagógico. De acordo com especialistas, quanto mais cedo o tratamento for iniciado, melhor. Isso contribui para a melhora das relações afetivas e para a realização das mais variadas atividades diárias, até mesmo as mais simples.

Pesquisa sugere descoberta em bebê recém-nascido

Uma pesquisa realizada pela Escola de Medicina da Emory University em Atlanta, nos Estados Unidos, e publicada pela revista Nature, sugere que a identificação do autismo possa ocorrer até os dois meses de idade do bebê.

O estudo avaliou o olhar de crianças para o rosto de outras pessoas desde o nascimento até os três anos de idade. Dentre as crianças avaliadas, algumas tinham maiores chances de ter autismo por terem irmãos com o problema e outras risco reduzido, sem qualquer caso registrado na família.

Já nos recém-nascidos, foi possível detectar alguns sinais de autismo. Percebeu-se que, mesmo durante os primeiros meses e dias de vida, o bebê autista já apresenta pouco contato visual com seus pais, por exemplo.

A importância da pesquisa está em fazer o diagnóstico o quanto antes para início rápido do tratamento.