Síndrome de alienação parental na vida das famílias

Já ouviu falar sobre a síndrome de alienação parental na vida das famílias? Confira o que a psicóloga Mirtes Gonzalez diz sobre o assunto:

Alienação parental é um conflito familiar em que se tem como o maior prejudicado a criança ou adolescente. São mais comuns do que se imagina, não sendo difícil deparar-se atualmente com pais ou mães que estimulam o filho a repudiar o ex-cônjuge como uma espécie de vingança pelo rompimento da relação.

Os casos que chegam à Vara de Família são recorrentes e demandam muita cautela ao serem analisados pois a grande maioria dos problemas relativos à alienação parental não é de cunho jurídico. Trata-se muitas vezes de questões emocionais.

Através de estudos realizados na área da psiquiatria forense, o psiquiatra infantil Richard Gardner criou o termo “síndrome da alienação parental”. Richard analisou e avaliou diversas crianças de famílias em situações de divórcio e concluiu que esse distúrbio infantil era recorrente em disputas pela possa e guarda dos filhos.

Foto: Financialspots

Foto: Financialspots

Síndrome de alienação parental na vida das famílias

O ato de alienação parental é a interferência na formação psicológica da criança ou do adolescente promovida ou induzida não só pelos ex-cônjuges, mas por qualquer pessoa que tenha a criança e o adolescente sob tutela. No entanto, os casos mais comuns de ocorrência da alienação parental estão ligados a situações de ruptura da vida conjugal.

Após o divórcio, nem sempre o casal consegue concretizar a separação emocional e romper os laços que os mantinham unidos. Muitas vezes, o casal continua vivenciando os sentimentos de desilusão sofridos no casamento. Consequentemente, ocorre uma programação parental da criança, na qual o filho é utilizado por um genitor como instrumento para atingir o ex-cônjuge.

Leia mais: Ausência do pai na gestação

Foto: Huffingtonpost

Foto: Huffingtonpost

O alienador procura desmoralizar a imagem do outro genitor monitorando o sentimento da criança. Assim, a criança acabe se afastando do genitor alienado por acreditar no que lhe está sendo dito, fazendo com que o vínculo afetivo seja destruído.

Mirtes Gonzalez

Psicóloga Clinica

www.mirtesgonzalez.com.br