Qual idade certa para ter o primeiro bebê?

Muitas mudanças na sociedade e na vida das mulheres têm adiado cada vez mais a maternidade. Se antes as mulheres se casavam jovens e logo depois tinham seus bebês, hoje os casamentos são cada vez mais tardios e nem sempre necessários para a decisão de ter uma criança. Diante deste novo cenário, uma pergunta continua persistente: existe uma idade certa para ter o primeiro bebê? Se sim, qual?

Leia ainda: Como saber se o bebê está com cólica?

A vida da mulher moderna

A maternidade tem sido adiada cada vez mais pelas mulheres por vários motivos. A vida moderna coloca diante delas outras vontades e desafios que precisam ser conquistados e vencidos antes da chegada de um bebê.

Hoje, após terminar o ensino médio, a maioria parte para a universidade, onde vão estudar para aprender uma profissão. O tempo que as mulheres dispensam aos estudos e à formação acadêmica cresce. Antes de ter um bebê é preciso ter uma profissão e um bom emprego.

Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

A estabilidade financeira é um dos pontos que mais contribuem para a gestação tardia. A mulher quer, antes de mais nada, ter condições de cuidar financeiramente de seu filho e de dar a ele saúde, educação, dentre outros. Ela quer ainda ter uma casa ou um apartamento para viver confortavelmente com sua família. Além desta segurança, o desejo de ter um parceiro sério é outro fator.

O corpo feminino

Se existe uma idade considerada ideal biologicamente, ela é a dos 20 e poucos anos. Neste período a fertilidade da mulher é alta e ela possui boas condições de saúde. No entanto, além de muitas não terem conquistado tudo o que gostariam, a intensa rotina de trabalho e a falta de maturidade para cuidar de uma criança são pontos que pesam e que devem ser considerados.

A conclusão que se pode tirar é que a mulher precisa sim ficar atenta aos sinais dados por seu corpo, já que com o avançar da idade as chances diminuem e os riscos da gestação aumentam. Mas, existem muitas variáveis além desta, então o momento ideal pode ser considerado único para cada mulher.