O que é permitido ou não na quarentena

You are currently viewing O que é permitido ou não na quarentena

Muitos mitos envolvem o período de quarentena. Veja abaixo todas as informações necessárias e importantes para esse período de recuperação pós-parto:

A quarentena

A quarentena, também chamada de resguardo ou puerpério, é o período de recuperação da mulher que se inicia logo após o parto. A mulher não precisa cuidar só do bebê, mas também de si mesma e das transformações no corpo trazidas pela gestação.

A quarentena dura de seis e oito semanas. Durante a gravidez, muitas mudanças afetaram o organismo feminino. Alguns órgãos, como o útero, cresceram dezenas de vezes.

É durante a quarentena que a região onde estava a placenta se cicatriza. Caso o período não seja respeitado, a mulher pode ter uma infecção, caracterizada por febre intensa.

 Leia ainda: Como adaptar o bebê à creche?

Episiotomia

A necessidade da episiotomia é muito comum. O corte entre a vagina e o ânus é feito para auxiliar o nascimento do bebê. O local dos pontos pode ficar dolorido e inchar – o recomendado é uma bolsa de gelo. A mulher pode sentir dificuldade para ir até o banheiro, o que é solucionado pelo uso de laxante. A higiene adequada é muito importante neste período.

Retomada das atividades

Na quarentena, a mulher precisa descansar, o que ajuda na recuperação e na manutenção da disposição para cuidar do bebê. Atividades normais como sentar, levantar e andar vão ajudando a musculatura abdominal a se fortalecer – em 15 dias, 70% já voltou ao normal. Durante os 30 primeiros dias, carregar peso deve ser evitado – ainda que se trate de segurar no colo o filho mais velho.

Procure um médico

Em caso de febre e persistência dos sangramentos, vá até seu médico. É com ele que a mulher deve conversas e tirar suas dúvidas sobre o que é e o que não é permitido neste período.

 

 

 

 

 

 

Equipe Gestação Bebê

A equipe de redatores do Gestação Bebê é formada por jornalistas e profissionais convidados de diversas áreas, como pediatria e psicologia.

Deixe uma resposta