Gestação depois dos 40 anos – Cuidados e riscos

É cada vez maior o número de mulheres que o decide engravidar em idades próxima aos 40 anos. Muitos motivos têm levado a isso, como a busca por estabilidade financeira, a grande dedicação à carreira profissional e a dificuldade em encontrar o parceiro ideal. Porém, o mais importante é que estas mulheres decidiram não abrir mão do sonho de tornarem-se mães.

No entanto, algumas dúvidas são inevitáveis: há uma idade considerada ideal para engravidar? A gravidez após os 40 é considerada de risco?

Veja a seguir tudo o que você precisa para ter uma gestação saudável se esta for sua opção:

Qual a melhor idade para engravidar, biologicamente falando?

De acordo com especialistas, a melhor idade para engravidar é entre os 19 e os 29 anos, pois o corpo da mulher está mais preparado para a gestação e os riscos, consequentemente, são menores. Além disso, a fertilidade feminina atinge o pico entre os 15 e os 25 anos.

A cada ano após os 35 de idade o risco é maior, e a gestação pode ser considerada crítica quando depois dos 40 anos. A diminuição da fertilidade ocorre após os 25 anos, aumenta um pouco mais aos 30 e aos 40 cai drasticamente.

Veja também: Alimentação correta para gestantes

Quais os principais riscos para mãe e bebê?

Existem algumas doenças que são mais comuns em gestantes na faixa dos 40 anos, como a diabetes e a hipertensão arterial. Ainda, parto prematuro, pré-eclâmpsia (ocorre quando há comprometimento vascular na placenta) e maior probabilidade de o bebê sofrer de alguma síndrome genética.

A incidência de gêmeos também aumenta conforme o avançar da idade.

Confira ainda: Enjoo na gravidez: como amenizar?

São necessários tratamentos ou cuidados especiais?

Se a mulher não possui problemas de fertilidade não é necessário qualquer tratamento. Apesar do aumento dos riscos, os cuidados e recomendações são os mesmos para qualquer gestante: fazer exames clínicos com seu médico para avaliar a saúde de maneira geral, não beber ou fumar, se alimentar corretamente, evitar o sobrepeso e fazer o acompanhamento pré-natal corretamente.

Avalie esta matéria!

  • Adicione um comentário

    *