Dificuldade para engravidar: o que fazer?

Os problemas para engravidar atingem mais casais do que imagina: cerca de seis em cada dez. Se você e seu parceiro estão tentando engravidar sem o uso de qualquer método anticoncepcional há mais de 12 meses, é possível que um dos dois tenha alguma disfunção.

Porém, a maioria dos problemas é de fácil diagnóstico e fácil tratamento. Veja como proceder se esse é seu caso:

Dificuldade para engravidar – Causas

São muitos os fatores que podem dificultar a gravidez, dentre os quais alimentação inadequada, estresse, ansiedade e alterações emocionais, já que alteram a fertilidade tanto do homem quanto da mulher.

Outros motivos podem ser o excesso de peso, idade da mulher maior que 35 anos, doenças sexualmente transmissíveis e cigarro.

Leia ainda: Dicas para engravidar de bebê menino

Problemas femininos

– Síndrome dos Ovários Policísticos: causada por um desequilíbrio hormonal, provoca irregularidades na menstruação, o que compromete a ovulação e dificulta na gravidez.

– Endometriose: a doença pode inclusive causar infertilidade irreversível. O principal sintoma são fortes cólicas. O problema ocorre quando a mucosa que reveste o útero é expelida dentro da cavidade do abdômen ao invés de ser eliminada através do canal vaginal.

– Problemas ovulatórios: muito comum entre as mulheres, caracteriza-se pela falha na liberação de hormônios, irregularidade no ciclo menstrual ou problema nos ovários, o que compromete a ovulação.

– Alterações da tireoide:  o desequilíbrio da glândula tireoide leva a um desequilíbrio hormonal, o que reflete no funcionamento dos ovários.

– Aumento da prolactina: o aumento deste hormônio impede os ovários de funcionarem corretamente.

Problemas masculinos

Os principais problemas de infertilidade masculina são não ejacular, não produzir a quantidade adequada de espermatozóide, possuir espermatozóides que não se movimentam “bem”, que não têm uma forma normal ou que não funcionam adequadamente.

O que fazer?

O indicado é que o casal procure um médico. O profissional poderá fazer o disgnóstico correto e indicar o tratamento, que muitas vezes é bastante simples.

Avalie esta matéria!

  • Adicione um comentário

    *