Dicas para tratar e prevenir pneumonia em bebê

Os bebês, por serem frágeis e estarem ainda em processo de formação e desenvolvimento, necessitam de cuidados redobrados quando o assunto é saúde.

Existem alguns problemas graves que podem afetar os pequenos, como é o caso da temida pneumonia. No entanto, com a prevenção adequada é possível mantê-los bem longe desta ameaça. Saiba mais sobre o assunto para poder proteger seu bebê corretamente:

O que é a pneumonia?

A pneumonia nada mais é do que uma grave inflamação nos pulmões. O problema pode ser causado por vírus ou bactérias – muito mais comuns no Brasil. As principais bactérias causadoras da pneumonia são pneumococo e hemófilo,  que também provocam a meningite.

Leia também: Como regular o sono dos bebês

Sintomas

Os sintomas da pneumonia são febre, tosse, dores no peito e nas costas, tremores contínuos e apatia. A respiração dolorida também pode ocorrer.

Fatores de risco nos bebês

Algumas características dos bebês podem ser agravantes para a ocorrência da doença, e são elas o baixo peso, a desnutrição e a deficiência de vitamina A. Outros fatores de risco são a poluição atmosférica e a exposição à fumaça do cigarro.

Como tratar?

O primeiro passo é procurar um médico, já que o tratamento envolve o uso de antibióticos. Casos mais amenos podem ser tratados em casa, enquanto outros necessitam de internação.

Confira ainda: Dentinho nascendo: dica para ajudar nesse momento

Prevenção é o melhor remédio

Os pais devem ficar atentos a gripes e resfriados que persistirem por mais de sete dias, especialmente quando há tosse com catarro. Além disso, quando a febre resistir em abaixar é necessário procurar um médico com urgência.

Crianças com alergias ou problemas respiratórios devem receber ainda mais cuidados. A vacinação  é ainda muito eficaz e deve ser realizada de acordo com a recomendação médica, considerando a idade do bebê.

Por fim, o aleitamento materno é fundamental para que o sistema imunológico do bebê se desenvolva corretamente e o proteja de inflamações e infecções.

Avalie esta matéria!

  • Adicione um comentário

    *