Chupeta ou dedo, o que é melhor para o bebê?

You are currently viewing Chupeta ou dedo, o que é melhor para o bebê?

O hábito da sucção está presente no bebê mesmo antes do nascimento – muitas vezes é possível ver o bebê chupando o dedo ainda dentro do útero materno por meio do ultrassom. Isso ajuda a acalmar, e é o que muitas crianças fazem para sentirem-se mais confortáveis e acolhidas.

Quando o bebê cresce, a chupeta é frequentemente oferecida. Mas, muitos fazer criticas: há quem diga que ela pode prejudicar o desenvolvimento bucal da criança e que o dedo seria uma boa alternativa. Sendo assim, qual é a melhor alternativa para o bebê?

Vantagens de chupar o dedo

Chupar o dedo traz algumas vantagens ao bebê em relação à chupeta: eles estão disponíveis a qualquer momento, podem ser controlados facilmente, não caem no chão e não ficam presos à roupa por um cordão que pode ser perigoso.

 Leia ainda: Primeiros passos para engravidar

Foto: Divulgação.
Foto: Divulgação.

O uso da chupeta

A chupeta é indicada para crianças que são mais choronas e manhosas, sendo uma importante maneira de acalmá-las. Algumas pesquisas indicam ainda que a chupeta ajuda a prevenir a morte súbita em bebês, causa infelizmente comum.

Para diminuir a dependência da chupeta, acostume seu bebê a utilizá-la somente À noite, na hora de dormir.

Segundo especialistas, a chupeta e o dedo podem atrapalhar a formação da dentição, mas a chupeta muito mais.

O hábito vai embora sozinho

O hábito de chupar o dedo na maioria dos casos acaba naturalmente – já com a chupeta pode ser mais difícil. Por volta dos quatro ou cinco anos de idade, a criança acaba encontrando outras maneiras de se sentir confortável e de se livrar da ansiedade ou da tensão.

Quando oferecer e quando retirar a chupeta

Enquanto o bebê estiver mamando, não é indicado oferecer a chupeta, o que pode atrapalhar sua amamentação. Espere alguns meses para isso.

 

Equipe Gestação Bebê

A equipe de redatores do Gestação Bebê é formada por jornalistas e profissionais convidados de diversas áreas, como pediatria e psicologia.

Deixe um comentário