Bebê com língua presa, o que fazer?

You are currently viewing Bebê com língua presa, o que fazer?

Muitas pessoas, inclusive pais, pensam que a língua presa é apenas algo que afeta levemente a fala dos adultos. Elas estão enganadas. A língua presa, ainda que mais leve em alguns casos e mais grave em outros, pode se tornar um problema maior inclusive para os bebês, prejudicando até a alimentação.

O que é a língua presa?

Na verdade, a língua presa nada mais é do que o freio lingual curto. O freio lingual é a prega de tecido localizada abaixo da língua.

O disgnóstico pode ser feito ainda quando a criança é pequena. Bebês com a língua presa têm dificuldade para colocar a língua para fora da boca e, quando o fazem, a ponta adquire o formato de um coração, com uma leve “repartição” ao meio.

 Leia ainda: Dicas para fazer o bebê dormir a noite inteira

Prejuízos para o bebê

A língua presa pode trazer alguns prejuízos para o bebê, como dificuldades para a amamentação, alimentação e fala.

Como tratar?

O tratamento mais adequado varia de bebê para bebê. Por outro lado, muitos médicos e fonoaudiólogos possuem opiniões diferentes quanto ao melhor tratamento.

O comprimento do freio e as restrições impostas aos movimentos da língua é que vão dizer quando é necessário fazer uma frenectomia.

Frenectomia

A frenectomia é o procedimento cirúrgico mais indicado para a solução da língua presa. Ela pode ser feita no próprio consultório médico com a utilização de anestesia local – muitas vezes sem a necessidade de pontos. Em alguns casos o mais indicado é remover o freio ao invés de cortá-lo.

Teste da linguinha

Existe um teste capaz de detectar precocemente a língua presa no bebê e assim evitar problemas futuros decorrentes do problema. Ele não é obrigatório e deve ser feito por odontopediatras ou fonoaudiólogos. Nele, o profissional avalia a distância do freio em relação à ponta da língua para fazer o diagnóstico.

Equipe Gestação Bebê

A equipe de redatores do Gestação Bebê é formada por jornalistas e profissionais convidados de diversas áreas, como pediatria e psicologia.

Deixe um comentário