Anticoncepcional após o parto – Quando começar?

A emoção de ganhar um bebê não deve sobrepor o tempo de recuperação do seu corpo. Então, saber usar o anticoncepcional após o parto é importante. Mesmo amamentando é preciso se cuidar.

Para prevenir a gravidez nesse período é importante que converse com um médico para saber qual o método mais indicado, pois alguns profissionais não indicam o uso de pílulas durante a amamentação.

Melhor anticoncepcional para quem está amamentado

O melhor anticoncepcional para estes casos são os que não contêm estrogênio, como pílulas contendo apenas progesterona, métodos injetáveis, implante e até mesmo DIU. A eficácia dos métodos não se altera pelo número de filhos. O que se deve respeitar é o período do resguardo e escolher o método de acordo com aleitamento ou não, e presença de doenças associadas.

Leia também: Pílula anticoncepcional pode prejudicar o bebê?

Após 42 dias, ou seis semanas depois do parto, o organismo feminino já retomou suas características anteriores e o médico já poderá prescrever um método contraceptivo adequado. Em mulheres que não amamentam, o uso de anticoncepcionais pode ser retomado mais precocemente, mas, em mulheres em período de amamentação, o mesmo só deve ser reiniciado no momento certo e com medicamentos específicos.

Mesmo que você queira ter mais filhos, é recomendado esperar pelo menos seis meses entre duas gestações no caso de parto normal, e no mínimo 9 meses em caso de cesárea, para que o corpo se recupere. Baseado nisso, citaremos alguns métodos e assim você poderá conversar com seu médico sobre o melhor a ser usado no seu caso:

Foto: Sexual Health Liverpool

Foto: Sexual Health Liverpool

5 Métodos contraceptivos para uso após o parto:

  • Preservativo – Camisinha masculina ou feminina. Deve ser utilizada assim que for retomada a atividade sexual.
  • SIU – Sistema Intrauterino com Hormônio, que funciona como o DIU. Ele é muito indicado para mulheres que acabaram de ter filho. Pode ser colocado 40 dias após o parto e é muito eficaz.
  • Pílula anticoncepcional de progesterona – O uso contínuo é recomendado a mães em período de amamentação. O uso correto da pílula é predominante em sua eficácia assim como a pílula tradicional. A diferença é que ela só contém o progestágeno, hormônio sintético semelhante à progesterona, enquanto as pílulas tradicionais possuem uma combinação de estrogênio e progesterona. Pílulas com estrogênio não são adequadas para quem amamenta, pois interfere na qualidade e na quantidade de leite.
  • Injeção de progesterona – É um método eficiente para quem amamenta, e tem a vantagem de eliminar o problema do esquecimento de tomar as pílulas todos os dias. É tomada uma vez por mês ou uma vez a cada três meses, e pode ser usada tanto pela mulher que amamenta como pela que não dá o peito. A primeira é aplicada 06 semanas após o parto.
  • DIU com ou sem hormônio – Inserido no consultório ginecológico, com ou sem anestesia, e fica no útero por anos. O DIU sem hormônio serve somente como barreira e tem duração entre 03 e 10 anos. O DIU com hormônio além de fazer uma barreira, ele libera doses pequenas de progesterona. Tem durabilidade de até 05 anos e é normalmente conhecido como Mirena. Deve somente ser inserido 06 semanas após o parto.

Então, converse com seu médico a respeito dos métodos existentes e qual é o mais recomendado ao seu caso.