Síndrome do bebê sacudido: quais os sintomas?

Você já ouviu falar na síndrome do bebê sacudido? Muitas pessoas podem achar que algumas atitudes com os pequenos não causam maiores danos, mas estão enganadas. A fragilidade dos bebês é muito grande, e vai além do que possam aparentar, por isso é que precisam de cuidados e carinho.

Veja a seguir maiores informações sobre o problema:

O que é a síndrome do bebê sacudido?

A síndrome do bebê sacudido é um problema que pode acontecer quando o bebê é segurado e sustentado pelos ombros ou extremidades e chacoalhado bruscamente, de maneira forte e agressiva. A cabeça do bebê é naturalmente maior e mais pesada do que o restante do corpo, e como os ligamentos do pescoço são frágeis e fracos, o movimento pode rompê-los, causando lesões no cérebro do bebê.

Leia ainda: Gestação de 35 a 36 semanas – Sintomas e mudanças

Quais os sintomas?

Os principais são sonolência e dificuldade em permanecer acordado, vômito e em casos mais graves convulsão, cegueira – devido a sangramento da retina –, coma e morte.

Importância dos profissionais da saúde

Na maioria das vezes, a síndrome do bebê sacudido está relacionada a maus tratos. É importante que os profissionais da saúde estejam atentos para casos desta natureza, pois além do atendimento e tratamento do bebê, outras medidas devem ser tomadas.

Quando médicos ou enfermeiros desconfiarem de maus tratos, devem acionar o serviço social do hospital, para que faça uma investigação e acompanhe/oriente os pais.

De acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente, em caso de violência contra crianças ou adolescentes uma notificação comunicando o evento deve ser enviada imediatamente ao Conselho Tutelar, órgão responsável pelo tratamento destes casos, visando a garantia do bem estar da criança.

Atendimento médico

O atendimento médico deve ser realizado imediatamente. Em alguns casos ele demora a ocorrer pois acredita-se que o bebê apresenta apenas mal-estar temporário. No entanto, quanto menor a idade da criança e maior o trauma, piores podem ser as lesões.

 

 

 




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*