Usar ou não óleo na cabeça do bebê?

You are currently viewing Usar ou não óleo na cabeça do bebê?

Utilizar óleo na cabeça dos bebês é uma prática comum para algumas mães, mas antes de seguir aplicando o produto é necessário se informar.

Os bebês são pequenos e frágeis, e muitas vezes práticas que parecem inofensivas podem prejudicá-los. Por isso, veja a seguir se usar óleo na cabeça do bebê pode fazer mal:

O óleo e sua utilidade

O óleo é utilizado para tratar a dermatite seborreica dos bebês, que se parece com a caspa nos adultos. A dermatite seborreica pode aparecer no couro cabeludo do bebê durante seus primeiros meses de vida, o que é normal.

Leia ainda: Lembrancinha gourmet para chá de bebê

Recomendação médica e efeitos negativos

O uso do óleo em bebês deve ser feito contra a dermatite seborreica apenas com indicação médica. O produto pode deixar os fios do cabelo do bebê mais oleosos e até causar alergias.

O uso correto

Os médicos costumam receitar óleo mineral para que as mães consigam combater a dermatite seborreica dos bebês. Ele atua hidratando o couro cabeludo, o que facilita o desprendimento das crostas.

Como utilizar

O modo correto de utilizar o óleo mineral é aplicá-lo em um algodão e depois passar levemente sobre o couro cabeludo do bebê. Em seguida, para espalhar ainda mais, os pais devem pentear os cabelos do bebê com um pente fino. Por fim, lavar com shampoo neutro, que não causa alergias. Se perceber que os fios ainda estão oleosos, ensaboe e enxágue novamente.

Os cabelos do bebê vão cair até que ele complete 4 meses de idade. Depois disso, novos fios vão nascer. Por isso, não se preocupe se os fios começarem a ficar secos. Você pode procurar o pediatra e pedir que indique um condicionador.

Produtos neutros para bebês

Para os bebês, os produtos mais indicados são os neutros. Com fórmula e cheiro suaves, oferecem menor risco de alergias nos pequenos.

Equipe Gestação Bebê

A equipe de redatores do Gestação Bebê é formada por jornalistas e profissionais convidados de diversas áreas, como pediatria e psicologia.

Deixe uma resposta