O que fazer em caso de asfixia do bebê?

You are currently viewing O que fazer em caso de asfixia do bebê?

A asfixia é grave mas bastante comum entre os bebês. Os pequenos podem se engasgar facilmente com alguns alimentos e também quando decidem colocar na boca pequenos objetos que obstruem as vias respiratórias, impedindo a respiração. Nestes casos, é indispensável agir rapidamente, pois cada segundo é precioso para a criança. Os pais devem estar preparados. Eles devem manter a calma e agir:

Como identificar a asfixia?

A asfixia ocorre quando o bebê não consegue respirar e sua tosse é fraca, sem força. Nestes casos a criança não consegue falar e produz sons estranhos. A pele do rosto adquire coloração avermelhada ou arroxeada.

Se, apesar de tossir fortemente, o bebê conseguir respirar e falar, não se trata de asfixia. Neste caso, o corpo estranho vai acabar sendo expelido naturalmente.

Leia ainda: Direitos legais da gestante

Foto: Divulgação.
Foto: Divulgação.

Como ajudar crianças pequenas

Em bebês com menos de um ano, a manobra para acabar com a asfixia deve ser feita da seguinte maneira: coloque a criança de bruços sobre o antebraço ou joelho, levemente inclinada e com a cabeça mais baixa que o resto do corpo. Bata com a palma da mão nas costas do bebê cerca de cinco vezes, entre as omoplatas.

Se isso não for suficiente, coloque o bebê de barriga para cima e faça cinco compressões torácicas com a ponta dos dedos – posicione-os no centro do tórax. Repita o procedimento até que o bebê desafogue.

Prevenção

A prevenção de asfixias acontece com cuidados simples que evem ser tomados pelos pais dos bebês. Não deixe objetos pequenos perto de bebês (botões, brincos etc). Não deixe que eles tenham acesso a pilhas dos brinquedos nem que tenham brinquedos com peças pequenas que possam ser removidas (fique atento e respeite a indicação da idade). Corte os alimentos em pedaços pequenos e fique sempre por perto enquanto o bebê come sozinho.

Equipe Gestação Bebê

A equipe de redatores do Gestação Bebê é formada por jornalistas e profissionais convidados de diversas áreas, como pediatria e psicologia.

Deixe um comentário