Icterícia Neonatal: o que é, causas, como ocorre, tipos e valores de referência

Cerca de 50% dos recém-nascidos são afetados pela icterícia neonatal, doença que deixa a pele do bebê com aparência amarelada. Entre os bebês atingidos, 70% são prematuros.

Apesar de geralmente não trazer grandes riscos para o recém-nascido, é normal que os pais fiquem preocupados ao ver o filho com a pele de uma cor fora do normal. Para evitar que o bebê venha a sofrer algum tipo de complicação, o tratamento é indispensável logo nos primeiros dias de vida.

Entenda neste artigo como corre a icterícia, seus sintomas e os tratamentos usados para combatê-la.

O que é icterícia neonatal?

A icterícia neonatal é uma doença que se manifesta nos primeiros dias de vida do bebê, fazendo com que a sua pele e olhos adquiram uma tonalidade amarelada. Essa doença pode ser observada primeiramente na cabeça, avançando até os pés do recém-nascido.

A icterícia acontece devido a uma quantidade elevada do pigmento bilirrubina na corrente sanguínea, que é então liberado diretamente no fígado. Como o fígado dos recém-nascidos ainda não é capaz de metabolizar de forma eficaz a bilirrubina, ocorre uma concentração na corrente sanguínea.

Com a concentração dessa substância, a pele adquire um tom amarelo, assim como a parte branca dos olhos (conjuntivas), resultando no surgimento da icterícia neonatal.

Na maioria das vezes esse quadro não apresenta nenhum perigo para o bebê. Porém, há casos raros onde o nível de bilirrubina no sangue é muito elevado, trazendo o risco remoto de resultar em uma lesão cerebral.

Mesmo se tratando de uma situação rara, é fundamental realizar o tratamento e analisar os níveis de bilirrubina no sangue do recém-nascido regularmente para verificar se há alterações.

Causas

São várias as causas que podem levar o bebê a apresentar a icterícia neonatal, sendo as mais comuns:

  • Fígado imaturo: acontece quando o fígado pouco maduro do bebê ainda não é capaz de metabolizar e eliminar a bilirrubina do organismo. Essa é a causa mais comum e geralmente se manifesta cerca de 24 horas após o nascimento.
  • Leite materno: aparece nos bebês que se alimentam exclusivamente do leite materno, por conta da quantidade elevada de substâncias presentes no leite, tornando a absorção do pigmento mais difícil. Em geral, surge quando o bebê tem por volta de 10 dias de vida.
  • Destruição de células do sangue aumentada: causada por anemia hemolítica, anemia falciforme ou esferocitose, trata-se de uma causa grave da doença. Ela pode surgir devido a uma incompatibilidade entre o sangue da mãe e do bebê.
  • Doenças: nesse caso, pode se tratar de uma doença hereditária (como a síndrome de Gilber) ou doenças que surgiram na gravidez, como é o caso da rubéola ou hipertireoidismo.
  • Outras causas: além das causas citadas acima, a icterícia neonatal pode também pode surgir devido a uma infecção provocada por vírus ou bactérias. Além disso, também pode se manifestar por conta de uma má-formação das vias biliares ou devido ao uso de medicamentos pela gestante (como o diazepan).

bebe com amarelão

Como ocorre a icterícia?

Ao nascer, o bebê possui uma quantidade elevada de glóbulos vermelhos, que não são necessários nessa quantidade após ele deixar o útero. Dessa forma, esses glóbulos extras começam a se decompor nos primeiros dias de vida da criança.

A bilirrubina é um pigmento amarelo naturalmente produzido em nosso organismo, sendo o resultado da decomposição dos glóbulos vermelhos. A icterícia neonatal surge por causa de um aumento na quantidade da bilirrubina na corrente sanguínea do recém-nascido.

Quando essas células se transformam nesse pigmento amarelado, ele é então transportado para o fígado e metabolizado, sendo finalmente eliminado através das fezes. Porém, como o fígado pequeno do bebê muitas vezes não consegue metabolizar rápido o suficiente, a bilirrubina acaba se acumulando no sangue, deixando a pele com aparência amarelada.

Também há outra causa para a ocorrência da icterícia neonatal, que acontece quando o sangue da mãe e do bebê não são compatíveis. Por exemplo: se a mãe tem o sangue Rh- e o filho é Rh+, ocorre uma destruição rápida e em grande quantidade dos glóbulos vermelhos.

Dessa forma, o fígado do recém-nascido não é capaz de depurar a bilirrubina, o que leva essa substância a se acumular na corrente sanguínea. Como resultado, a bilirrubina se espalha na pele do bebê, além de outros tecidos.

Sintomas

A coloração amarelada da pele e dos olhos é o principal sintoma da doença. Ela começa no rosto e avança pelo tronco, chagando finalmente aos pés. Não são todos os bebês que apresentam esse sintoma, já que alguns deles não desenvolvem uma quantidade suficiente de bilirrubina para que a pele adquira uma aparência visivelmente amarelada.

Os sintomas da icterícia podem aparecer de forma repentina ou então se desenvolver gradualmente. Em recém-nascidos, os sintomas costumam se manifestar no segundo dia de vida. Em se tratando de bebês prematuros, pode surgir no 5º dia.

Tipos de icterícia neonatal

Existem dois tipos de icterícia neonatal, a patológica e a fisiológica. Entenda a seguir as características de cada uma delas:

Icterícia patológica

Esse tipo da doença faz com que o recém-nascido apresente uma quantidade elevada de bilirrubina, sendo por isso necessário que realize o tratamento o mais cedo possível. O motivo é porque ela pode causar uma lesão no sistema nervoso central do bebê se não for tratada.

O tratamento mais comum é a fototerapia, onde o bebê permanece pelado (usando apenas fralda) sob luzes fluorescentes para que as moléculas da bilirrubina sejam eliminadas.

Icterícia fisiológica

Em relação ao tipo fisiológico, os níveis de bilirrubina no bebê são menores, o que faz com que não seja necessário um tratamento. A icterícia fisiológica costuma desaparecer cerca de dois dias após o seu surgimento.

É provável que o bebê precise ficar de observação na maternidade para que o quadro seja acompanhado. Após o tempo de observação, o bebê já pode ser levado para casa e continuar a ser amamentado normalmente.

Diagnóstico da icterícia em recém-nascidos

sintomas da ictericia

Uma forma usada pelos pediatras para verificar se o bebê está com icterícia é por meio do exame físico, pressionando ligeiramente a testa, o nariz e o tórax com o dedo indicador. Se o bebê apresentar icterícia, a pele fica com um tom amarelado.

Outra maneira de observar a icterícia é observar se a parte branca dos olhos do bebê está amarela. Caso o sintoma seja verificado, é preciso informar ao médico para que o tratamento seja iniciado.

Como nem sempre esse tipo de avaliação é o suficiente (já que nem todos os bebês ficam com a pele em tom amarelado), o pediatra poderá fazer o uso de um equipamento chamado bilirrubinômetro transcutâneo. Esse dispositivo é colocado na testa do bebê para que seja feita a leitura da quantidade de bilirrubina.

Para que seja medido o nível exato da bilirrubina, é fundamental realizar uma coleta de sangue. Dessa forma, o pediatra pode iniciar o tratamento para impedir que a doença avance ou, dependendo do caso, fazer apenas o acompanhamento.

O que é fototerapia em recém-nascidos?

A fototerapia é um tratamento feito colocando o bebê dentro de um pequeno berço usando apenas fraldas. O bebê é exposto a uma luz fluorescente branca ou azul, o que faz com que esse tratamento também seja conhecido como “banho de luz”.

Ao ser exposto à luz fluorescente, os olhos do bebê ficam protegidos por uma máscara. O uso da luz fluorescente ajuda a eliminar as moléculas de bilirrubina, que acabam sendo eliminadas através da urina.

O tempo de duração e a quantidade de sessões são determinadas pelo médico e não causa nenhum tipo de prejuízo para o organismo do bebê.

Valores de bilirrubina para icterícia neonatal

Os valores de bilirrubina determinam o estágio de icterícia neonatal, o que é verificado de acordo com a quantidade dessa substância presente no sangue do bebê. A pele da criança começa a ficar amarela quando há uma quantidade acima de 5 mg de bilirrubina a cada 100 ml de sangue.

Veja quais os valores de bilirrubina para cada estágio da doença:

  • Estágio 1: o nível de bilirrubina nesse estágio é de 6 mg⁄ dL, deixando apenas o pescoço do bebê com tonalidade amarelada.
  • Estágio 2: com concentração de 9 mg⁄ dL de bilirrubina, o amarelo afeta até a região do umbigo do bebê, não afetando os seus membros.
  • Estágio 3: a icterícia nesse nível apresenta 12 mg⁄ dL, chegando até os joelhos. Ao atingir esse nível, é preciso identificar a causa dessa alteração, pois pode significar que o fígado não está trabalhando como deveria.
  • Estágio 4: o nível de bilirrubina é de 15 mg⁄ dL nesse estágio, atingindo até mesmo os membros da criança, deixando apenas os pés e mãos com a tonalidade normal.
  • Estágio 5: ao atingir esse estágio, o nível de bilirrubina é acima de 18 mg ⁄ dL. A concentração elevada da substância no organismo faz com que todo o corpo do bebê fique amarelo.

Apesar de normalmente a icterícia neonatal não trazer muitos riscos para o bebê, quanto mais elevada for a concentração de bilirrubina no sangue, maior devem ser os cuidados médicos.

Tratamento caseiro para icterícia neonatal

tratamento caseiro ictericia

É possível tratar a icterícia usando remédios caseiros, que contêm componentes que ajudam a estimular o funcionamento do fígado. Mas, em se tratando de recém-nascidos, que devem se alimentar apenas com o leite materno, o uso de remédios caseiros não é possível.

Porém, há o tratamento feito com a ingestão de chá de-dente-de-leão pela mãe e também o banho de sol. Lembrando que nenhum remédio caseiro deve ser usado sem antes informar o pediatra, pois pode desencadear uma alergia grave no bebê.

Chá de dente-de-leão

O chá de dente-de-leão apresenta substâncias que ajudam a reduzir os níveis de bilirrubina do bebê por meio do aleitamento.

Para preparar o chá é preciso apenas dos seguintes ingredientes:

  • 10 g de folhas de dente-de-leão
  • 500 ml de água

Após água ferver, o fogo deve ser desligado e então são acrescentadas as folhas de dente-de-leão. Deixe descansar por cerca de 10 minutos e, em seguida, coe. Diariamente, a mãe deve tomar até 3 xícaras do chá.

Banho de sol

Quando o nível de bilirrubina é menor, é possível que o pediatra indique a exposição do bebê ao sol diariamente. Nesse caso, o recém-nascido deve ser exposto ao sol durante a manhã, sempre antes das 10 horas ou após as 16 horas, quando o sol está mais fraco.

Em geral, o tratamento feito com a luz solar dura 2 dias e o tempo de exposição varia entre 15 a 30 minutos.

Tratamento convencional

Para os casos mais leves de icterícia, o tratamento do recém-nascido é feito com o uso da fototerapia. Não é necessário mudar a rotina de amamentação do bebê, já que o aleitamento ajuda a complementar o tratamento.

Quando a doença é mais severa, pode ser preciso recorrer a uma fototerapia intensiva ou ao uso de antibióticos para que seja possível eliminar o excesso da bilirrubina. Em casos graves, que são raros, é necessário recorrer a uma transfusão para remover a bilirrubina rapidamente da corrente sanguínea da criança.

Cuidados de enfermagem

ictericia imagens

No caso de o médico indicar o banho de sol para diminuir a icterícia, é muito importante que a mãe siga rigorosamente as instruções passadas por ele. Apesar de a radiação solar ser eficaz contra a doença, existem outras radiações que podem provocar queimaduras no bebê.

Após o nível de bilirrubina baixar e a pele do bebê voltar ao normal, é preciso estar atenta para confirmar que a alteração realmente sumiu. Por isso, é importante observar a coloração do recém-nascido e consultar o pediatra periodicamente. Embora não seja comum, há casos onde a concentração do pigmento amarelo volta a subir no sangue.

Chá de picão para icterícia funciona?

O chá de picão contém substâncias que ajudam a estimular a eliminação da bilirrubina do organismo. Por esse motivo, ele é frequentemente usado para dar banho em bebês que sofrem com icterícia neonatal.

O chá é preparado da seguinte forma:

  • 1 colher (sobremesa) de folhas de picão
  • 1 xícara (chá) de água

Após ferver a água, acrescente as folhas de picão. Deixe descansando por 10 minutos e coe. A mãe deve tomar até 4 xícaras do chá diariamente (nunca durante a gestação) ou usar para dar banho no bebê. Nesse caso, a mesma quantidade de chá de camomila deve ser misturada com o chá de picão.

Entretanto, há casos onde aplicar o chá na pele do bebê pode provocar uma alergia e piorar a situação. Por esse motivo, é imprescindível buscar informação com o pediatra antes de dar um banho de picão no bebê.

O acompanhamento médico sempre deve feito no caso de icterícia neonatal, o que vai permitir uma recuperação rápida e segura do recém-nascido.

Referências

minhavida.com.br/saude/temas/ictericia

danonebaby.com.br/saude/ictericia-neonatal/

mdsaude.com/2017/05/ictericia-neonatal.html

mae.blog.br/ictericia-neonatal-diagnostico-e-tratamento/

fisioterapiaparatodos.com/p/doencas-figado/ictericia-neonatal-e-em-adultos/

Avalie esta matéria!

  • Adicione um comentário

    *