Gravidez precoce, causas e consequências

A adolescência é uma fase transitória para a vida adulta e é nesse momento que surgem muitas dúvidas, curiosidades e incertezas. Para muitas adolescentes, esse também é o período de descoberta do próprio corpo, da sexualidade e também da gravidez.

Um artigo publicado no site da Fiocruz aponta que 1,1 milhão de adolescentes engravidam por ano no Brasil. Devido a essa precocidade, alguns questionamentos atormentam a cabeça dessas meninas quando chega a hora de divulgar uma gravidez: como contar para os pais e o namorado? E como esses pais reagirão ao receberem a notícia? Irão compreender? Existe uma reserva financeira para arcar com os custos que certamente vão surgir? Como será minha vida a partir de agora? Estou preparada para ser mãe?

Conheça um pouco mais sobre a gravidez precoce, suas causas e consequências

Foto: Youqueen

Gravidez de risco

Segunda dados da OMS, a menina que engravida entre 10 e 19 anos de idade é considerada uma grávida precoce (ou gravidez precoce). Nesse período, a garota ainda está com seu corpo em formação para a maternidade e existe risco para a mãe e para o bebê também.

Causas

É certo que na adolescência os hormônios da sexualidade estejam trabalhando a “mil por hora”. Porém, se o menino ou a menina não forem orientados adequadamente quanto a esse assunto pode ser que o controle sobre a intimidade deles escape de suas mãos e acabe resultando em uma gravidez precoce. Dentre as várias causas existentes, as principais são:

  • Má influencia familiar (brigas, conflitos, discussões, etc.).
  • Desconhecimento sobre métodos contraceptivos.
  • Outros casos de gravidez precoce na família.
  • Início da menstruação ocorreu bem cedo.

Leia: Medicamentos que causam risco na gravidez

Embora a gravidez precoce possa acontecer em qualquer classe social, geralmente ela alcança maior número nas famílias de baixa renda.

Consequências da gravidez precoce

As consequências prejudiciais de engravidar na adolescência:

  • Pressão arterial elevada durante a gravidez.
  • O bebê pode nascer abaixo do peso ideal.
  • Ocorrer anemia na mãe.
  • O trabalho de parto pode ser complicado, sendo preciso fazer uma cesária.
  • Falta de afetividade da mãe para com o bebê.
  • Baixo rendimento escolar ou abandono do estudo por parte da mãe adolescente.
  • Parto prematuro.
  • Aborto espontâneo.
  • Baixa autoestima e risco de depressão.
  • Risco de malformações para o feto.
  • Afastamento do ambiente social.
  • Abandono de emprego ou dificuldade para encontrá-lo.

Segundo pesquisa divulgada no site G1 em 2014, cerca de duzentas mil mulheres jovens vão a óbito em todo o mundo na hora do parto.

Por fim, a menina que apresentar gravidez precoce deve ser acompanhada por um médico da área durante todo o período e a família precisará dar o apoio necessário.

E então, qual sua opinião sobre esse assunto? Você conhece algum caso semelhante ao abordado nessa matéria que ocorreu próximo a você? Comente.

Fontes Estatísticas:

  • Fiocruz (http://goo.gl/qLs95t)
  • G1 (http://glo.bo/YOQbbn)