Gravidez molar – Sintomas, Tratamento

O problema é raro – afeta uma em cada mil gestações -, mas acontece e impossibilita o desenvolvimento do bebê.

A gravidez molar afeta principalmente mulheres com mais de 40 anos ou que já apresentaram uma sequência de abortos espontâneos. Mas, infelizmente, pode atingir mulheres de todas as idades.

A gravidez molar é caracterizada por anormalidades nas células que farão parte de um órgão fundamental na reprodução humana: a placenta. O óvulo fertilizado não possui cromossomos da mãe e os espermatozoides do pai são duplicados, o que faz com que não haja embrião. O resultado é uma massa de cistos ao invés de um feto propriamente dito.

Entre os principais sintomas estão o forte sangramento, um crescimento muito além do normal do útero acompanhado de inchaços abdominais, além de fortes náuseas. Além disso, o hCG, o chamado hormônio da gravidez, será muito mais alto em um exame de sangue.

Foto: Redbookmag
Foto: Redbookmag

Como o feto não terá condições de se desenvolver e a manutenção da gravidez molar poderá trazer riscos para a mãe, será necessária uma interrupção da gravidez assim que o problema for identificado, por meio de uma curetagem ou uma dose de medicamentos para a expulsão do tecido embrionário que estiver no útero.

A Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) recomenda que a retirada dos restos ovulares seja feita por meio da aspiração manual intra-uterina (AMIU). Trata-se de um sistema de aspiração semelhante a uma grande seringa de plástico de 60ml, pela qual um sistema de válvula e embolo modificado aspiram para dentro da seringa o conteúdo intra-uterino, através de uma cânula inserida dentro do útero e conectada neste sistema de aspiração, sob anestesia local ou sedação.

Após esse processo, será preciso monitorar constantemente as doses de hCG por um período que vai de seis meses a um ano, já que é possível que algum tecido remanescente da gravidez molar fique no útero e se espalhe por outras partes do corpo, como fígado ou pulmões.

Leia maisExames e cuidados para uma gravidez tardia

Por mais doloroso que seja enfrentar uma gravidez molar e suas complicações, não desista se você tem o sonho de ser mãe: caso não haja complicações por conta da gravidez molar – como a ida das células para outras partes do corpo – será preciso esperar no mínimo seis meses para tentar uma nova gravidez, mas uma nova tentativa é liberada após esse período. Calcula-se que a possibilidade de uma nova gravidez molar seja de no máximo 2%, ou seja, bastante pequena.

Equipe Gestação Bebê

A equipe de redatores do Gestação Bebê é formada por jornalistas e profissionais convidados de diversas áreas, como pediatria e psicologia.

Este post tem 2 comentários

  1. Merillin Marques

    Olá! Tive gravidez molar em agosto de 2013, em novembro de 2013 iniciei tratamento quimioterapico pois não tive cura expontanea.
    Zerei a dosagem de beta em Dezembro de 2013; e deveria evitar a gravidez por um ano.
    E agora em fevereiro de 2015, estou novamente grávida, com fé que será tudo diferente

  2. Andreiar rosa

    Olá!Tive gravidez molar em 2008,de gemêas.tive que interromper agravidezao 6 meses de gravides,no qual uma tinha gerado a outra o tumor tinha comido,fiquei desenganada ,com varios problemas,nao podia ter mais filhos,mas pela misericordia de Deus tenho duas e estou na reta final do terceiro.Sou grata a Deus.

Deixe um comentário