Gestação e o consumo de álcool

Todo mundo já ouviu a recomendação de que a mulher não deve consumir bebida alcoólica durante a gestação. Mas, será que isso significa que a mulher não deve cometer excessos e que pequenas quantidades, “beber socialmente”, é permitido? Veja a seguir tudo o que você precisa saber sobre a ingestão de álcool na gravidez:

A mãe é a fonte do bebê

Durante toda a gestação, é a mãe que fornece ao bebê todos os nutrientes, minerais, anticorpos que ele vai precisar para se desenvolver corretamente. Sendo assim, se estes elementos benéficos são adquiridos por meio da alimentação e dos hábitos saudáveis e passados de mãe para bebê, também coisas negativas podem ser transmitidas ao bebê. E isso ocorre com o álcool. Se a mulher gravida ingere qualquer quantidade de álcool, em pouco tempo ele já pode ser percebido pelo bebê.

A ingestão de álcool durante a gestação é muito prejudicial ao bebê. Durante este período, nenhuma quantidade é indicada ou considerada segura.

Leia ainda: Dicas para incluir o pai no álbum do bebê

Foto: thetimes.

Foto: thetimes.

Riscos do álcool

O consumo de álcool durante a gestação pode causar aborto, má formação do feto e problemas neurológicos graves. Além disso, o bebê pode nascer morto. Quando consumido pelas gestantes, o álcool se acumula no líquido amniótico em que o bebê está envolvido dentro do útero e pode prejudicar a formação de vários órgãos.

Amamentação

E não é só durante os nove meses de gestação que a bebida deve ser abolida. Após o parto, durante a amamentação, a mulher também não deve consumir bebida alcoólica, já que o álcool para o leite que será consumido pelo bebê.

Gravidez não programada

A mulher deve estar atenta. Em caso de sintoma de gestação, mesmo que não planejada, álcool e cigarro devem ser imediatamente suspensos para que não façam mal ao feto.