Direitos das gestantes nos planos de saúde

Os plano de saúde particulares recebem, a cada ano, mais e mais reclamações e queixas. Para evitar aborrecimentos e surpresas desagradáveis durante a gestação, período em que a mulher precisa de acompanhamento médico adequado para se sentir segura e confiante, veja abaixo quais são os direitos garantidos por lei durante a espera do bebê:

Novo plano

Se a mulher vai contratar um novo plano, deve prestar atenção a alguns pontos. O primeiro é a cobertura. No casos das gestantes o plano ideal é aquele que combina exames laboratoriais, consultas, tratamentos, exames, internação e também obstetrícia. Se você pretende engravidar em breve e já possui um plano que não cobre todos estes procedimentos, pergunte sobre as possibilidades de migrar. Outra vantagem desta opção é a inscrição do seu bebê ainda durante os primeiros dias de vida como seu dependente.

Além de tudo isso, analise atentamente a lista de médicos, hospitais, laboratórios e clínicas conveniadas. Verifique atentamente quais são os obstetras disponíveis e se os endereços são de fácil acesso para você.

Leia ainda: Quando é preciso usar meias de contensão na gestação?

Foto: www.mdspa.ca.

Foto: www.mdspa.ca.

Carência

O período de carência precisa de atenção redobrada. Ele se refere a quanto tempo a contratante do plano terá que esperar para ter direito de utilizar os benefícios oferecidos por ele. Por determinação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), órgão regulador, o período máximo de carência para emergência é de 24 horas. Já para consultas e exames, de até 180 dias.

Para a realização do parto, a maioria das seguradoras tem carência de 10 meses, por isso é necessário um bom planejamento – o período não vale para partos prematuros, que são procedimentos emergenciais.

Direito a acompanhante

Isso é lei: toda gestante tem direito de ter a seu lado um acompanhante durante o trabalho de parto, nascimento do bebê e período de recuperação que vem em seguida.