Cuidados com o lúpus na gravidez

O lúpus é uma doença grave, mas que pode ser controlado, permitindo à mulher realizar o sonho de engravidar.

O que o lúpus?

O lúpus é uma doença autoimune, ou seja, que se dá quando o sistema imunológico ataca os tecidos saudáveis do próprio corpo, o que leva a inflamações que podem afetar a pele, as articulações, os rins, o cérebro e outros órgãos.

Leia ainda:  Como Montar Quarto Do Bebê Sem Gastar Muito

Mulher com lúpus pode engravidar?

Sim, mas muitos cuidados devem ser tomados antes, a gestação deve ser cuidadosamente planejada e acompanhada por um médico.

Para engravidar, é necessário que a mulher esteja há pelo menos seis meses sem qualquer manifestação da doença, e consequentemente tomando doses baixas de medicação.

A mulher deve ainda planejar a gravidez dois anos após a detecção da doença, tempo que o problema demora para se estabilizar.

Outros pontos, são a pressão arterial, o peso e o funcionamento dos rins: tudo deve ser monitorado. Em alguns casos as mulheres necessitam tomar anticoagulante, pois a doença faz com que algumas produzam anticorpos antifosfolípides, que tornam o sangue mais propenso a coagular, o que obstrui vasos sanguíneos.

Pré-natal

O pré-natal exige ainda mais cuidados. A gravidez é considerada de risco para problemas como pré-eclâmpsia, diabetes gestacional e parto prematuro.

As mulheres devem realizar o acompanhamento adequado durante a gestação, com exames laboratoriais mensais e ainda monitoramento do bebê.

Riscos

As mulheres com lúpus possuem maior chance de sofrer aborto e de ter um bebê pequeno e prematuro. No entanto, as chances de o bebê nascer com a doença são pequenos. Na maioria dos casos, os pequenos têm a chamada síndrome do lúpus neonatal, que acontece pela passagem de anticorpos da mãe pela placenta. Os principais sintomas são lesões na pele devido a sensibilidade à luz, o que não precisa de tratamento e dura cerca de nove meses e não deixa sequelas.

Por outro lado, uma porcentagem muito pequena de bebês pode sofrer, lesão cardíaca fetal permanente, que tem a mesma causa mas que pode levar à morte.