Como baixar febre do bebê

You are currently viewing Como baixar febre do bebê

A febre nos bebês é sinal de que algo não está bem, o que causa enorme preocupação aos pais, já que não conseguem identificar o motivo e muitas vezes não sabem o que devem fazer para aliviar o sintoma. Saiba mais sobre a febre nos bebês, causas mais comuns e colo baixar a temperatura dos pequenos.

Por que os bebês têm febre?

A febre é uma reação do organismo diante de uma infecção. A elevação da temperatura permite ao corpo combater o problema, mas pode ser perigosa caso ultrapasse os 42º C.

A febre vem geralmente acompanhada, nos bebês, de faces rosadas e irritação. Como as infecções são bastante comuns durante a infância, os pais devem saber como lidar com o problema.

 Leia ainda: Como cuidar das brotoejas em bebês

Que temperatura caracteriza febre nos bebês?

Os pais devem ter sempre um termômetro à mão. Quando medida na axila, a temperatura normal do bebê é 36,5º C. Caso medida na virilha, a temperatura normal é de 37,5º C. Os pais devem se preocupar caso haja alterações de 1º C.

Como baixar a temperatura?

Se o bebê tiver até dois meses de vida, os pais devem imediatamente procurar um médico. As causas da febre devem sempre ser investigadas.

A partir dos dois meses de vida, se a temperatura for menor do que 38º C, não é necessário baixar a temperatura. Porém, caso seja superior é preciso medicar com paracetamol – a quantidade deve ser adequada ao peso e idade. Se em 20 minutos a febre não diminuir, leve o bebê para a banheira e coloque um pouco de água morna – não utilize fria, que acelera os batimentos cardíacos, nem muito quente. Com a ajuda de uma esponja, molhe o corpo do bebê por mais ou menos 15 minutos.

Caso a temperatura seja maior do que 40º C, a banheira deve ser a primeira opção. Vale lembrar que o médico deve ser procurado para esclarecer as causas do problema.

Equipe Gestação Bebê

A equipe de redatores do Gestação Bebê é formada por jornalistas e profissionais convidados de diversas áreas, como pediatria e psicologia.

Deixe um comentário