Cinta pós-parto de cesárea: Funciona? Quando usar?

You are currently viewing Cinta pós-parto de cesárea: Funciona? Quando usar?

Você certamente já ouviu falar sobre a cinta pós-parto, certo? Pois é, muitos mitos, no entanto, rondam seu uso. Na maioria das vezes os efeitos atribuídos a ela são milagrosos, como a rápida recuperação da forma física anterior. Veja a seguir o que dizem os médicos, os prós e contras de usar:

A eficiência é comprovada?

De acordo com especialistas, o uso da cinta não faz parte das recomendações para o pós-parto. Em alguns casos ela até pode ajudar, mas não há qualquer comprovação científica de seus resultados.

Leia ainda: Como descobrir se o bebê é destro ou canhoto?

Indicações e contraindicações

A avaliação que leva em conta o tipo de parto deve ser feita antes do uso da cinta. A cinta é mais comum após o parto normal, pois não há cicatriz. Nestes casos a maioria dos médicos libera o uso sem grandes restrições. A mulher pode colocar a cinta de 12 a 24 horas depois do parto.

No parto cesária a cinta pode ser usada de 24 a 48 horas após o nascimento do bebê, uma vez que a cicatriz esteja normal. A cinta, nestes casos, pode ajudar a diminuir a dor causada durante alguns movimentos, uma vez que evita que a cicatriz, a musculatura e os pontos se movam.

Pontos negativos

As cintas podem, no entanto, causar desconforto e dificultar a higienização em caso de sangramentos – que são comuns no pós-parto.

Outro ponto negativo é o fato de após o parto a mulher apresentar intestino preso, o que é normal. O problema pode se agravar com o uso da cinta, o que causa dor e ainda mais incômodo à mulher.

Opinião médica

Antes de utilizar a cinta é de fundamental importância que a paciente consulte seu médico, para saber se pode ou não utilizá-la. Vale ressaltar, no entanto, que não utilizar a cinta não traz qualquer prejuízo para a recuperação.

Equipe Gestação Bebê

A equipe de redatores do Gestação Bebê é formada por jornalistas e profissionais convidados de diversas áreas, como pediatria e psicologia.

Deixe um comentário