Bebês e Cachorros: 5 Vantagens em estimular essa convivência

Já preparou a casa para a chegada do bebê? Conheça 5 vantagens de estimular a convivência entre bebês e cachorros.

A convivência entre animais de estimação e bebês pode surgir como uma preocupação para os pais. Muitas dúvidas costumam aparecer quanto a esse relacionamento,, será necessário apenas tomar algumas precauções quanto à higiene e ao comportamento do bichinho.

Se você já tem cachorro em casa antes da chegada do bebê, não precisar quebrar a cabeça procurando uma solução para evitar esse contato entre os dois. Mas, se você ainda não tem um animal de estimação e pretende adotá-lo quando o bebê já nasceu, talvez seja indicado esperar um tempinho, por nenhuma outra questão além de que animais precisam de tempo para se adaptarem e podem dar trabalho durante esse período. Contudo, se a decisão é essa, não se preocupe, a escolha provavelmente não trará grandes problemas se certos aspectos forem observados.

Foto: Watson

Foto: Watson

A convivência entre cachorros e bebês não só é indicada como pode trazer vários benefícios para a criança. Confira cinco vantagens comprovadas em deixar cachorros perto de bebês:

1. Aumenta a imunidade

De acordo com algumas pesquisas, bebês que convivem com animais de estimação têm uma quantidade maior de anticorpos. Crianças de até cinco anos que se relacionaram com animais de estimação tem menor propensão a contrair doenças, como alergias respiratórias e resfriados.

2. Amizade

A intimidade entre crianças e cães se configura em laços reais de amizade. Não é raro crianças listarem seus animais de estimação como alguns de seus melhores amigos e parte de sua família. Essa troca com um animal que faz parte do dia a dia estimula os laços de amizade e companheirismo. (15 fotos de bebês com cachorro dormindo).

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

3. Estimula a atividade física

A presença de um cachorro na rotina da criança incentiva as brincadeiras ao ar livre, as atividades físicas e os passeios. Além de ser um grande parceiro para aventuras no quintal ou dentro de casa.

4. Desenvolve a responsabilidade

Um animalzinho que precisa de cuidados básicos como alimentação e higiene faz com que a criança compreenda as necessidades de um ser que também precisa de dedicação como ela, desenvolvendo a noção de compromisso e responsabilidade.

5. Companhia para todos os momentos

Principalmente para crianças que não têm a presença dos pais em casa por questões como o trabalho, a presença de um cachorro – que é garantia de amizade e companhia – ajuda a diminuir o estresse da solidão. (Grávidas, bebês e a convivência com animais).

Foto: Momjunction

Foto: Momjunction

Cuidados com a saúde e o comportamento do cão

Para que a convivência entre bebês e cachorros seja saudável e esteja longe de criar qualquer problema, são importantes alguns cuidados básicos. A veterinária Barbara Florence Guedes, uma das fundadoras do Projeto Pró-Patinhas (Petrópolis – RJ), identificou cuidados essenciais para tornar esse convívio totalmente benéfico:

“Filhotes precisam passar pelo ciclo completo de vacinas e vermifugação, ou seja: três doses da vacina múltipla e uma dose da antirrábica, que é uma zoonose (doença que pode ser transmitida para pessoas através dos animais). O ideal é que sejam feitas, pelo menos, duas doses do vermífugo. Durante a vermifugação, podemos fazer a prevenção contra giardíase, outra zoonose, causada por um protozoário: nesse caso, os animais recebem o vermífugo por três dias seguidos. É importante repetirmos todo o ciclo de vermifugação uma vez a cada quatro ou seis meses”, detalha.

Quais doenças transmitidas por cães para as crianças são mais comuns? Como evitá-las?

As principais doenças transmitidas para crianças através dos cães (e gatos) são as verminoses, no geral. Afinal, sabe-se que um dos meios de descoberta das crianças é através da boca. Por isso, elas estão sujeitas a ter mais contato com essas verminoses e bactérias causadoras de diarreia. Para evitá-las, é importante manter a vermifugação do animal sempre sem dia, bem como uma boa higiene do local onde ele vive.

Também pode haver contaminação de feridas por mordeduras ou arranhaduras, muitas vezes originadas por brincadeiras inocentes entre os animais e as crianças. Por isso é importante, além da limpeza da ferida  – caso ocorra algum acidente, a educação de ambas as partes: ensinar à criança os limites do animal e ensinar ao animal como se portar com uma criança.

Foto: Mydailyviral

Foto: Mydailyviral

“Algumas crianças têm sintomatologia respiratória quando entram em contato com um animal. Atualmente, existem produtos no mercado que minimizam essas alergias, como shampoos específicos para os animais. A higiene correta do local também facilita o convívio entre animais e crianças alérgicas. É importante relatar que os mais novos estudos dizem que crianças que convivem com animais desde pequenas tem menos chance de desenvolver alergias”, completa a veterinária Barbara Florence.

Atenção ao comportamento do cachorro

Se o animal começar a mudar o comportamento, urinar no local errado, latir mais do que o normal, parar de comer, se auto mutilar ou ficar demais no mesmo canto, pode ser que ele esteja com ciúmes do bebê. A veterinária ainda indica que “para evitar esse problema, é importante começar desde a gravidez: as pessoas naturalmente começam a resolver todas as coisas referentes a chegada do bebê e esquecem do animal. Nessa época o animal já começa a mudar o comportamento. Por isso, deve-se inserir o bichinho na nova rotina da casa, deixá-lo conhecer as coisas e os cheirinhos do bebê que virá”. Não se esqueça de que, quando o bebê chegar, será importante sempre supervisionar a interação entre ele e o animal.

Seguindo essas dicas, certamente a convivência do bebê com o cãozinho será benéfica para ambas as partes e vocês poderão tirar todas as vantagens desse relacionamento.