Andador para bebês: é prejudicial? Pode gerar problemas?

O momento em que os bebês começam a dar os primeiros passos é sempre muito esperado pelos pais. Os pequenos tornam-se mais independentes, o que mostra que estão mesmo crescendo e que o desenvolvimento está sendo saudável.

O andador é um objeto muito comum nesta fase, já que auxilia o bebê sem que os pais precisem estar o tempo todo segurando o filho, e possibilita que ele consiga sair andando por toda a casa. Porém, seu uso divide opiniões:

Usar ou não usar andador?

De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria, o andador não é indicado. A SBP criou uma campanha para acabar com o uso de andadores, já que não foi encontrado nenhum benefício ligado a ele.

Especialistas explicam que o andador põe em risco a saúde e o desenvolvimento da criança, pois retarda as atividades psicomotoras do bebê. Para eles, bebês que utilizam andadores levam mais tempo para ficar de pé e caminhar sem ajuda. Os pequenos também engatinham menos e têm níveis inferiores nos testes de desenvolvimento em comparação com bebês que não utilizaram andadores.

O andador pode ainda causar quedas graves, principalmente em locais onde há obstáculos e escadas, já que ele pode virar.

 Leia anda: Como escolher a creche ideal para o bebê

Como estimular o bebê sem andador

Uma maneira de estimular o bebê a dar os primeiros passos é colocá-lo na sua frente e se afastar um pouco, estendendo os braços para que ele venha até você. Existem também outros brinquedos que podem permitir que ele fique em pé, dando sustentação. Porém, é necessário verificar se são firmes o suficiente.

Os médicos lembram ainda que é normal que algumas crianças demorem a começar a andar, o que varia muito. O importante é que elas apresentem evolução e estejam sempre tentando e mostrando movimentos novos, como engatinhar, virar o corpo sozinha, apoiar em móveis e assim por diante.