12 alimentos que o bebê não pode comer

A alimentação de crianças pequenas sempre é um tema que causa muitas dúvidas. É recorrente que pais e mães queiram complementar a alimentação do bebê, com a melhor das intenções, pensando na perfeita nutrição dos filhos.

Para começar, é importante destacar que médicos e pediatras aconselham o aleitamento exclusivo durante os primeiros seis meses de vida, não oferecendo nada além do leite materno – nem mesmo água ou frutas -, salvo casos específicos em que uma alimentação diferente deve ser prescrita exclusivamente pelo pediatra.

Veja ainda: Alimentos que causam cólicas no bebê

Após esse período, na fase de introdução de outras comidas na alimentação do bebê, a transição deve ocorrer aos poucos, para facilitar a adaptação da criança, e algumas restrições importantes devem ser observadas, de acordo com a idade da criança. Conforme vai crescendo, o organismo vai se adaptando para receber os alimentos. A digestão, a dentição e a imunidade ainda estão se formando e influenciam na absorção dos nutrientes.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A gastroenterologista pediátrica Dra. Mariana Deboni, listou os principais motivos pelos quais as crianças pequenas têm muitas restrições alimentares. São elas:

– Mecanismos de mastigação e deglutição ainda em desenvolvimento. Risco de engasgos e aspirações.

– Ausência de dentes ou pequeno número deles.

– Sistema imunológico ainda em fase de desenvolvimento. É nessa fase que ocorre a tolerância oral, ou seja, capacidade de ingerir um determinado alimento sem desenvolver alergias. Além disso, as defesas contra agentes infecciosos não são tão eficazes quanto nos adultos.

– Dificuldade na digestão de determinados componentes nutricionais. Por exemplo, a capacidade na digestão do amido da dieta só atinge seu máximo por volta dos 6­-8 meses de vida.

– O risco de desenvolvimento de obesidade é maior nos 2 primeiros anos de vida.

– Dificuldade em mudar hábitos alimentares ruins depois que viram rotina.

12 alimentos que o bebê não pode comer

Após os seis meses de idade, quando outros alimentos além do leite forem incluídos na alimentação, deve-se prestar atenção a algumas restrições alimentares que podem trazer riscos à saúde do bebê (Primeira papinha do bebê: aprenda a fazer).

A Dra. Mariana Deboni citou algumas das mais importantes:

Foto: Divulgação

Foto: healthportal.co.ug

  1. Leite de vaca: indicado apenas após o bebê completar 1 ano de vida. Evita o desenvolvimento de alergias (Veja como identificar alergia no bebê).
  2. Clara de ovo: oferecer somente após 1 ano. Motivo: se a criança desenvolver alergia ao ovo, não poderá receber a vacina tríplice viral.
  3. Mel: não deve ser oferecidos a crianças menores de 1 ano pelo risco de contaminação com a toxina botulínica.
  4. Amendoim, castanhas, avelãs, nozes: não oferecer antes de 1 ano de vida. Em crianças alérgicas pode ser adiada ainda mais a sua introdução. Risco de desenvolvimento de alergia alimentar grave.
  5. Frutos do mar: evitar antes de 1 ano de vida. Risco de alergia alimentar.
  6. Farináceos: introdução após os 12 meses de vida. Opcional. Deve ser evitado em crianças com sobrepeso. Risco de obesidade.
  7. Açúcar: quanto mais tarde for introduzido melhor. Risco de obesidade e cárie dentária.
  8. Industrializados em geral: introdução após 1 ano de idade. Quanto mais tarde, melhor. Costumam ser ricos em sal, açúcar, corantes e conservantes.
  9. Embutidos (salame, linguiça, salsicha, embutidos em geral): evitar o quanto puder. De preferência não oferecer antes dos 3 anos. Ricos em sal, gordura e nitrato. O consumo frequente está relacionado ao desenvolvimento de várias doenças crônicas.
  10. Cafeína: evitar até os 5 anos. Consumo excessivo está relacionado com dificuldade na absorção de ferro e cálcio da dieta. Além disso, tem efeito estimulante.
  11. Refrigerantes: em tese, não deveriam ser oferecidos às crianças. Aumenta o risco de desenvolvimento de obesidade, cáries e dificulta a absorção de cálcio da dieta.
  12. Sucos industrializados: contém pouca concentração de suco natural e apresentam alto índice de açúcar.

Aproveite as dicas acima para escolher a melhor nutrição para seu bebê e assim protegê-lo de doenças e outros problemas. A educação alimentar desde cedo é fundamental para criar uma boa relação das crianças com uma alimentação saudável e balanceada, que vai influenciar na qualidade de toda a sua vida.


    1. Avatar
      Vanessa oliveira 27 de dezembro de 2016

    Add Your Comment

    *