Teste do Pezinho: para que serve, doenças detectadas, quanto custa e tipos

Com apenas uma picadinha do calcanhar, pode-se identificar uma série de doenças sérias por meio do teste do pezinho, evitando prejuízos no desenvolvimento do recém-nascido.

Devido à sua importância, esse exame tornou-se obrigatório no país desde 1992 e também foi estabelecido o Dia Nacional do Teste do Pezinho em 6 de junho. Essa data é usada para campanhas de modo a alertar sobre a importância de fazer esse exame após o bebê nascer.

Entenda como é realizado o teste do pezinho, as doenças que ele detecta e qual a importância da identificação precoce dessas doenças para a saúde do bebê.

O que é teste do pezinho?

O teste do pezinho (também chamado de triagem neonatal) é um exame feito em recém-nascidos com a finalidade de identificar doenças infecciosas, metabólicas, congênitas (desenvolvidas no útero) ou genéticas (transmitidas pelos genes da mãe ou pai).

Em geral, o teste é feito recolhendo uma amostra de sangue do calcanhar do bebê. O motivo pelo qual a amostra é retirada do calcanhar deve-se ao fato de que há um fluxo sanguíneo maior nessa região, o faz a coleta ser mais fácil.

   

Alguns hospitais preferem que o teste seja feito no braço do bebê, o que minimiza a sensação de dor. Porém, o local onde o teste é feito não interfere nos resultados, pois o que importa é recolher a amostra de sangue para exames.

Receba notícias do Gestação Bebê. É grátis!

messengerFacebook Messenger

Tudo sobre gravidez e filhos pelo chatbot do Gestação para o Facebook Messengergestação botao

Importância 

O teste do pezinho é muito importante para a saúde da criança, pois as doenças identificadas por meio desse exame não apresentam sintomas quando o bebê nasce. Por esse motivo, a realização do teste pode evitar que essas doenças acabem se complicando até serem descobertas.

No caso de identificar alguma doença, o tratamento precoce é capaz de evitar que ela afete o desenvolvimento da criança. Porém, se não for feito o teste, e a doença não for descoberta a tempo para receber o tratamento, os problemas podem se agravar e vir a se tornar irreversíveis.

Devido à importância desse teste, ele é obrigatório no Brasil. Além disso, alguns municípios brasileiros sequer permitem que a criança seja registrada em cartório caso não tenha feito o exame.

teste do pezinho em bebes

Como é feito o teste do pezinho

Para fazer o teste, o bebê recebe uma picadinha em seu calcanhar, onde é realizada uma assepsia previamente. Essa picada ocorre com o uso de uma agulha específica, que faz uma perfuração mínima na superfície da pele.

Algumas gotas de sangue são recolhidas num papel-filtro e mandados para análise em laboratório. Nesse papel há uma demarcação de círculos, onde cada um deve receber uma gota de sangue.

Durante o exame, geralmente a mãe permanece com o bebê. Porém, há hospitais onde o teste do pezinho é feito sem a presença da mãe. Por esse motivo, é importante perguntar ao médico se o teste já foi realizado e saber quando os resultados serão entregues.

O teste do pezinho dói?

É comum que as mães se sintam receosas em machucar o bebê que acabou de chegar ao mundo. Porém, a coleta é feita com um pequeno furo, que é praticamente indolor.

Cada bebê possui uma sensibilidade diferente, e é normal que ele chore ao ter essa sensação ainda desconhecida. Porém, é bom lembrar que o mais importante é a prevenção das doenças.

Para que serve o teste do pezinho

Fazer esse exame permite a identificação de doenças sérias, que podem prejudicar a saúde do bebê, mas que não apresentam sintomas precocemente. Dessa forma, é possível iniciar o tratamento o mais breve, evitando que chegue a afetar o desenvolvimento físico e mental da criança.

Se a criança não fizer o teste e for portadora de alguma das doenças identificadas por ele, pode desenvolver problemas se não receber o tratamento a adequado.  Depois que isso acontece, não há como reverter a situação através de um tratamento.

Tipos de teste

Além do teste de pezinho básico oferecido pela rede pública, há outros exames que são feitos em hospitais particulares e que permitem a identificação de mais doenças. Abaixo estão os tipos de testes e a quantidade de doenças identificada por cada um deles:

  • Básico: oferecido gratuitamente pelo SUS, identifica 6 doenças.
  • Mais: é capaz de identificar 10 doenças, entre elas a toxoplasmose.
  • Ampliado: pode detectar 20 doenças e é indicado quando os pais apresentam alguma das doenças que ele detecta.
  • Plus: identifica 23 doenças, entre elas a Aids.
  • Master: pode detectar 28 doenças.
  • Expandido: é capaz de encontrar 46 doenças.
  • Super: possui tecnologia mais avançada, permitindo identificar 48 doenças.
  • Completo: é o teste mais recente, capaz de identificar mais de 50 doenças.

Para saber qual o teste mais indicado para o bebê, o ideal é que os pais conversem com o médico que acompanhou a gestação, já que vai depender do histórico familiar da criança e também das doenças mais comuns que afetam as pessoas da região.

 tipos de teste do pezinho

Foto: shutterstock.com

Quando fazer teste do pezinho

O recomendado é que o teste do pezinho seja realizado depois de 48 horas que o bebê nasceu e, no máximo, até 5 dias de vida. O teste não é feito antes para não receber influências do metabolismo materno, tornando o resultado mais preciso.

Caso o teste seja realizado antes do tempo mínimo estabelecido, pode haver a necessidade de repeti-lo para que os resultados sejam mais precisos.

Resultados

Em geral, o exame fica pronto dentro de uma semana, mas há casos onde pode demorar até 30 dias. O resultado pode ser normal, o que significa que não foi encontrada nenhuma doença no bebê, ou alterado, que indica a constatação de uma ou mais doenças.

Valores de Referência

Entenda quais são os valores de referência do teste:

  • Fenilcetonúria (PKU): até 4mg/dL o resultado é considerado normal e não é preciso fazer um novo teste.
  • Hipotireoidismo congênito (T4): até 5mcg/dL é considerado normal e não há a necessidade de repetir o exame. Entre 2,3 a 11,0mcg/dL o resultado é considerado limítrofe, sendo necessário repetir o teste imediatamente.
  • Fibrose cística (IRT): até 70mg/dL é considerado um resultado normal. Se o valor de referência for maior, um novo teste é solicitado até o bebê completar 30 dias de vida. Caso mantenha-se alterado, é preciso realizar o teste de cloro no suor.

Resultado Normal

Em geral, a família não é informada no caso de o teste apresentar resultado normal. Quando o resultado do teste do pezinho é normal, assim mesmo é recomendado que ele seja repetido para descartar completamente a existência de alguma doença não detectada.

Resultado Alterado

No caso de haver alteração no resultado, a família é informada por meio do telefone. Um novo teste é solicitado para confirmar ou descartar o indício da doença.

Se há a confirmação, são realizados novos testes para assegurar o resultado. Após esses testes, é indicado pelo médico o tratamento necessário para a doença que foi identificada.

Teste do pezinho ampliado

O teste ampliado (ou expandido) é feito em hospitais particulares e, além de identificar as doenças do teste do pezinho básico oferecido pelo SUS, também identifica outras quatro doenças:



  • Deficiência de G-6-PD
  • Galactosemia
  • Leucinose
  • Toxoplasmose congênita

Em geral, o teste ampliado é realizado apenas em caso de suspeita de contaminação do recém-nascido, no caso de a mãe ou pai serem portadores de alguma dessas doenças.

Recomendação do Ministério da Saúde 

O Ministério da Saúde recomenda que o teste seja realizado entre o 3º e 5º dia de vida do bebê, com a criança já amamentada.

O exame é considerado tardio se a coleta ocorrer após 30 dias do nascimento do bebê pois, passado esse tempo, sequelas já podem existir. Porém, nenhuma unidade de saúde pode negar fazer o exame mesmo após os 30 dias, já que se trata de um direito do bebê.

Doenças detectadas no exame

As doenças que podem ser detectadas através do teste do pezinho básico são:

  • Fenilcetonúria: é provocada pela falta ou redução de uma enzima que realiza a quebra da fenilalanina, aminoácido presente em nosso organismo. Como resultado, pode levar a uma deficiência intelectual.
  • Deficiência de biotinidase: ocorre com o bloqueio da ação de uma vitamina em nosso corpo. Essa vitamina, chamada biotina, é adquirida por meio da alimentação e sua ausência prejudica o desenvolvimento do intelecto da criança.
  • Hiperplasia adrenal congênita: prejudica a ação das glândulas adrenais, o que pode afetar o desenvolvimento sexual da criança.
  • Fibrose cística: trata-se de uma doença crônica que afeta os pulmões, resultando em secreções pulmonares. Também atinge o pâncreas e sistema digestivo, causando uma má absorção intestinal.
  • Hipotireoidismo congênito: ocorre quando os hormônios da tireoide não são produzidos em quantidade suficiente em nosso organismo, o que prejudica o desenvolvimento neurológico.
  • Anemia falciforme: esse tipo de anemia tem como origem uma estrutura da molécula de hemoglobina alterada, o que prejudica o transporte de oxigênio e, consequentemente, acaba afetando os órgãos.

Teste do Pezinho Plus

O teste do pezinho plus é capaz de identificar as seguintes doenças:

  • Sífilis congênita
  • Aids
  • Rubéola congênita
  • Doença de chagas congênita
  • Herpes congênita

Assim como o teste aumentado, também é indicada para bebê cujo os pais apresentem alguma dessas doenças.

SUS

O teste do pezinho, também chamado de triagem básica, é disponibilizado pelo SUS em todo o Brasil. O exame é obrigatório e gratuito.

É bom lembrar que não há contraindicações para a realização do teste e ele não oferece nenhum risco para o bebê.

pes de bebes fotos

Foto: The News Minute

Quanto custa o exame na rede particular?

O teste do pezinho básico é de graça até mesmo nas maternidades particulares. Já o preço dos outros testes, como o teste ampliado, geralmente fica em torno de R$ 200,00 a R$ 325,00, variando de acordo com a quantidade de doenças detectadas. Além disso, muitos já estão inclusos nos planos de saúde.

Em geral, quanto mais doenças detectadas pelo teste, mais caro ele é. Por exemplo, o teste Super, capaz de identificar cerca de 48 doenças, tem o valor médio de R$ 430,00.

Onde fazer o teste do pezinho

O teste é feito em vários hospitais e maternidades de forma rotineira. É preciso saber se o teste está disponível na maternidade onde a criança nasceu e, no caso de não ter sido realizado, os pais devem levar a criança para fazê-lo em um dos postos de saúde do seu município.

Até quantos dias pode-se fazer o teste?

Caso não tenha sido possível fazer o teste período recomendado, ele deverá ser feito até 30 dias após o nascimento do bebê. Dessa forma, é possível identificar uma doença para o tratamento imediato.

Porém, quando o exame é feito depois da segunda semana de vida, há uma possibilidade de apresentar falso positivo para a fibrose cística, mais comum quando o teste é feito depois de 5 dias de vida do bebê. Nesse caso, é preciso realizar o chamado “teste do suor” para que o diagnóstico seja confirmado.

Posso fazer o teste do pezinho depois de 7 dias?

O recomendado é que o teste seja feito dentro do prazo de sete dias, pois isso vai permitir que o diagnóstico tenha maior precisão. No caso de o teste não ocorrer no tempo ideal, deverá ser feito de imediato, mas poderá haver a necessidade de repeti-lo para obter um resultado mais confiável.

Teste do pezinho em prematuros

No caso dos bebês prematuros, ou seja, que nasceram antes de 37 semanas de gestação, o teste do pezinho pode ser feito normalmente até cinco dias de vida. Entretanto, geralmente é necessário realizar mais de uma coleta para exames.

O teste é feito novamente quando o bebê está com 120 dias de vida. Se houve a necessidade de passar por uma transfusão de sangue, o exame precisa ser feito após 120 da última transfusão.

Teste do pezinho detecta Síndrome de Down?

O exame não identifica alterações cromossômicas, como é o caso da Síndrome de Down. Porém, o teste revela se o bebê tem hipotireoidismo congênito, o que pode agravar sintomas de crianças portadoras da Síndrome de Down.

O controle do hipotireoidismo pode ser mantido sob controle com tratamento feito à base de hormônios.

É importante lembrar que, por se tratar de uma triagem básico, o teste do pezinho não diagnostica doenças, sendo necessário realizar exames complementares para confirmação.

Fazer o teste do pezinho é fundamental para identificar ou descartar a existência de doenças graves e que podem comprometer o desenvolvimento da criança. Por isso, é imprescindível que os pais se informem a respeito no hospital ou maternidade.

Referências

http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2017-06/recem-nascidos-devem-fazer-teste-do-pezinho-ate-o-5o-dia-de-vida

https://revistacrescer.globo.com/Bebes/Saude/noticia/2014/06/dia-nacional-do-teste-do-pezinho-saiba-importancia-desse-exame.html

http://www.alvaro.com.br/paciente/dicas-saude/teste-pezinho

http://www.minhavida.com.br/saude/tudo-sobre/18288-teste-do-pezinho

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/180_teste_pezinho.html

Avalie esta matéria!

- Publicidade -

- Publicidade -