O que fazer quando o bebê fala palavrão

You are currently viewing O que fazer quando o bebê fala palavrão

Conforme as crianças vão crescendo, os pais se deparam com novos desafios. Eles aprendem coisas novas todos os dias, conhecem novos amigos, fazem descobertas, correm, pulam… E, muitas vezes, aprendem a falar palavrões ainda muito pequenos. Como lidar com isso? A maioria dos pais não está preparado.

 Leia ainda: O lado bom da gestação

Quando e por que os palavrões ocorrem?

Os palavrões começam a aparecer na vida das crianças por volta dos 3 ou 5 anos, quando elas percebem o poder das palavras e de como se expressar pode ser incrível.

Quando um palavrão é dito, na maioria das vezes ele foi aprendido com o contato com pessoas mais velhas, sejam da própria família ou mesmo outras crianças. Quando dizem palavrões, as crianças não sabem exatamente o que querem dizer, apenas dizem porque não conseguem controlar ou porque acham que expressam seu ânimo naquele momento.

O que fazer para afastar os palavrões?

  • Se você não quer que seu filho diga palavrões, também não os fale. Os pequenos tem grande capacidade de imitar os adultos e de memorizar palavras ditas por eles;
  • É um erro rir da criança quando ela fala um palavrão, mesmo que seja de fato enraçado ou inusitado. Os pais acabam incentivando a criança a repetir esse comportamento;
  • Quando uma criança fala um palavrão, o adulto precisa explicar que aquela palavra ofende, magoa, incomoda e que não é respeitosa. Outra coisa que devem ensinar é que o pequeno não deve fazer aquilo que não gostaria de receber;
  • Uma reação exagerada diante de um palavrão pode acabar fazendo com que a criança ache que aquela é a melhor maneira de chamar a atenção dos pais. Por isso, é sempre bom manter a calma;
  • Incentive a criança a ler e a aprender novas palavras durante este período que está querendo aprender e cheia de curiosidade.

Equipe Gestação Bebê

A equipe de redatores do Gestação Bebê é formada por jornalistas e profissionais convidados de diversas áreas, como pediatria e psicologia.

Deixe um comentário