Mau hálito no bebê, o que pode ser?

Um bebê lindo, sorridente, esperto e… com mau hálito! Infelizmente, esse é um problema comum para muitos bebês e crianças, algo impensável para muitas mães. Mas resolver o problema é fácil, acredite.

Por isso, Gestação Bebê separou algumas sugestões simples para ajudar você e deixar seu filho com o hálito de um anjo.

Anote aí as nossas dicas:

  • Bebês e pequenas crianças ingerem uma grande quantidade de leite, e os resíduos permanecem na boca, principalmente na língua, por muito tempo. Por isso é comum observar uma camada esbranquiçada na boca do seu filho: é a fermentação do leite, o que pode gerar mau hálito. Por isso, se o bebê já possui dentinhos, escove, além dos dentes, a língua. O uso de uma gaze úmida também é recomendado.
Foto: Deltadentalwa

Foto: Deltadentalwa

  • Antes dos primeiros dentinhos, o uso de gaze ou um algodão úmido também deve acontecer, mas cuidado para a criança não engolir uma parte do material.
  • Muitas mães não sabem, mas o mau hálito também pode ser resultado de infecções na garganta, sinusites, alergias e até problemas nas adenoides. Além disso, é comum que crianças na primeira dentição já apresentem cáries, o que também favorece o cheirinho desagradável. Na dúvida, procure um médico ou um odontopediatra, profissional recomendado a partir do surgimento dos primeiros dentes.
  • A recomendação de limpeza bucal é redobrada no período da noite: cerca de 60% das crianças com até três anos de idade têm a chamada cárie de mamadeira, resultado da alimentação noturna da criança. Isso acontece porque a saliva ajuda, e muito, a proteger os dentes, mas durante a noite a salivação cai consideravelmente, o que favorece a instalação das cáries.

Leia tambémPicolé de leite materno é indicado para o bebê?

  • Foto: abcd-dental

    Foto: abcd-dental

    No caso de escovação, jamais deixe que a criança engula o creme dental: o flúor é um elemento químico que não deve ser ingerido por ninguém, nem crianças e nem adultos.

  • Não tente disfarçar o mau hálito do seu filho com soluções temporárias, como balas de hortelã. Além de não tratar o problema, esses “alívios imediatos” possuem açúcar, algo nada recomendado quando o problema é justamente o cheiro do hálito da criança.
  • Crianças com menos de dois anos de idade não precisam de açúcar. Ofereça frutas e, se não tiver jeito, dê preferência ao açúcar demerara e ao mascavo, mas sempre escove os dentes da criança depois.
  • Você sabia que a cárie é contagiosa? Por isso, evite assoprar a comida do bebê, dividir os mesmos talheres ou até mesmo beijar a boca da criança.