Até quando devemos amamentar o bebê?

You are currently viewing Até quando devemos amamentar o bebê?

Esta é uma dúvida frequentes entre as mães, e as respostas podem também variar bastante. O processo de desmame, porém, podem não ser tão fácil assim para ambas as partes, e deve ser feito sem pressa, dando tempo para a adaptação da criança.

Aleitamento materno

Os bebês devem ser amamentados exclusivamente com o leite materno até, no minio, seus seis meses de vida – o período coincide inclusive com o final da licença maternidade. Quando atinge essa idade, outros alimentos líquidos e sólidos começam a ser introduzidos na alimentação do bebê. Por outro lado, o Ministério da Saúde recomenda que o aleitamento dure o máximo possível, até os dois anos de idade.

 Leia ainda: Gravidez de trigêmeos, cuidados

Criança saudável

A criança está pronta para o desmame quando ela é saudável e possui uma alimentação completa, rica em nutrientes e balanceada para seu desenvolvimento. O leite poderá, a partir daí, ser introduzido por meio de copo ou mamadeira – existem muitas opções para as crianças.

Dificuldades

O aleitamento materno proporciona muitas coisas à mãe e ao bebê, como o estreitamento dos laços, o conforto, a proteção, o colo e o carinho. Com tantas emoções envolvidas, pode ser difícil interromper o aleitamento, o que deve ser feito de maneira gradual. Em muitos casos a ajuda de um profissional se faz necessária para facilitar o processo.

Forçar o desmame pode fazer com que a criança se sinta rejeitada e abandonada.

Como saber quando o bebê está pronto?

As crianças costumam apresentar alguns sinais indicativos de que estão prontas para o desmame. Um destes comportamentos é fazer com o seio da mãe o mesmo movimento feito com a chupeta. Outro comportamento é pedir o peito para a mãe mas depois de alguns minutinhos perder o interesse, se distraindo facilmente com outras coisas.

 

Equipe Gestação Bebê

A equipe de redatores do Gestação Bebê é formada por jornalistas e profissionais convidados de diversas áreas, como pediatria e psicologia.

Deixe um comentário